43 mil funcionários, 996 escolas, 797 milhões: educação vai passar para as autarquias

Governo apresentou estimativas financeiras discriminadas por áreas e municípios. Educação leva a grande fatia do Orçamento

O governo prepara-se para transferir para o poder local 797 milhões de euros, um valor que vai acompanhar a transferência de novas competências para as autarquias, na área da Educação. E é uma transferência em grande escala, a que está prevista neste setor. A concretizar-se nos termos em que o executivo a prevê, vão ficar sob a tutela das autarquias 43 262 funcionários (pessoal não docente) e 996 escolas, que correspondem a 3552 edifícios. Os dados constam de um relatório elaborado pela secretaria de Estado das Autarquias Locais, a que o DN teve acesso, e que foi entregue à Associação Nacional de Municípios (ANMP), no âmbito das negociações que estão a decorrer entre o executivo e as autarquias.

O documento faz a estimativa dos valores a transferir para o poder local, discriminados por área setorial e por autarquia. Em termos globais, o montante que será transferido do Orçamento do Estado (e que sai das contas dos ministérios) para o Fundo de Financiamento da Descentralização (FFD) ascende aos 889,7 milhões de euros. Deste valor, a fatia de leão vai para a Educação - os citados 797 milhões. A transferência de competências na área da Saúde será acompanhada, nas previsões do governo, de um pacote financeiro de 83 milhões, o setor da habitação terá um orçamento global de 7,6 milhões de euros e a Cultura receberá 1,1 milhões.

Com os valores que vão receber, e no que se refere especificamente à Educação, as autarquias terão de pagar os salários e suplementos remuneratórios de todo o pessoal não docente, um custo que o executivo estima em 566 milhões de euros. E terão também de assegurar a manutenção das instalações e equipamentos escolares - para isso terão 88 milhões de euros anuais. Já para apoio e complementos educativos (por exemplo, para assegurar a escola a tempo inteiro ou o leite escolar que é distribuído aos alunos) terão 142 milhões/ano.

A transferência de competências na área da Educação é um dos dossiês que ainda não está fechado nas conversações entre o governo e a ANMP. Uma das razões é precisamente a falta de dados discriminados, por área e por autarquia, dos valores a transferir, que os municípios vinham pedindo insistentemente.

A proposta do executivo que tem vindo a ser negociada ao longo dos últimos meses passa para as câmaras municipais uma longa lista de competências que até agora os municípios só detêm ao nível do pré-escolar e do primeiro ciclo. A intenção é que todos os ciclos do ensino básico e secundário fiquem sob a alçada das autarquias, que passam a ser as proprietárias dos edifícios escolares, ficando responsáveis pela sua manutenção; passam a ser a entidade patronal de todo o pessoal não docente, cabendo-lhes a contratação de novos funcionários; e ficam responsáveis por todos os serviços afetos à escola, das refeições dos alunos à segurança. Fora da tutela autárquica ficam os professores, que continuam afetos ao Estado central através do Ministério da Educação, que se mantém também como a entidade responsável pelas políticas educativas.

No setor da Saúde - outro que ainda não tem acordo fechado entre o governo e a ANMP - a transferência de competências é menos abrangente, traduzindo-se na passagem dos centros de saúde para a esfera municipal. Nas estimativas do governo passam para a alçada autárquica 1847 funcionários (pessoal não médico). Já nos custos com imóveis (alguns do Estado, outros arrendados) a estimativa de custos aponta para os 67 milhões de euros. O processo de descentralização na Saúde não abrange os municípios com Unidades Locais de Saúde, num total de 78.

Fora da equação fica o transporte de doentes não urgentes (com um custo anual estimado em 47 milhões de euros), que inicialmente estava previsto na transferência de competências, mas não veio a concretizar-se. Há, aliás, duas outras áreas em que não haverá descentralização. A conservação das estradas (16 milhões de euros) e, na área da Ação Social, os contratos de inserção dos beneficiários do rendimento social de inserção (RSI), bem como o acompanhamento e animação no apoio à família e serviço de atendimento (com um custo total estimado de 126 milhões).

Lisboa é o município que mais recebe: 38 milhões

Quanto à discriminação por autarquias, Lisboa recolhe a maior fatia das transferências - a previsão é de 38 milhões de euros, 32 milhões para a Educação, cinco para a Saúde. Segue-se Sintra, com 27 milhões (24 milhões para as escolas). O Porto e Vila Nova de Gaia têm prevista uma verba de 20 milhões, Loures de 16, Almada 15, Braga e Amadora de 14, Matosinhos 13 milhões, Coimbra, Guimarães e Gondomar de 12.

Nos termos do acordo firmado entre o governo e o PSD em matéria de descentralização, os municípios poderão receber as novas competências durante os próximos três anos, até 2021, cabendo-lhes a decisão sobre o momento de aderir ao processo de descentralização.

71 milhões em novas receitas

Além dos 889 milhões que serão transferidos a partir do Orçamento do Estado, o governo estima uma receita potencial de 71 milhões de euros para as autarquias, obtidas a partir das competências que passarão a ser asseguradas a nível local. Por exemplo, nas contas do Ministério tutelado por Eduardo Cabrita, as autarquias deverão receber, em taxas de concessão e licenciamento de infraestruturas, equipamentos e apoios de praia, uma verba orçada em 2,7 milhões de euros. Na educação, as receitas com refeitórios são estimadas em 53 milhões.

Somadas as transferências orçamentais a estas novas receitas, o executivo estima que Fundo de Financiamento da Descentralização chegue, no total, aos 960 milhões. Um número abaixo dos 1098 milhões que o ministro tinha já referido no parlamento, um decréscimo que corresponde ao recuo nas três áreas em que já não haverá transferência de competências, e que somadas representam 189 milhões de euros.

Governo e PSD tentam acelerar processo

Com a sessão legislativa no parlamento já na reta final e dois diplomas essenciais à descentralização - a lei-quadro e a lei das Finanças Locais - ainda por votar, o governo tenta ainda fechar este processo até ao encerramento dos trabalhos parlamentares. Foi com este objetivo que, na última quinta-feira, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita (que tutela este dossier) reuniu com Álvaro Amaro, o representante do PSD que liderou as negociações com o governo sobre a transferência de competências para as autarquias. Um encontro em que estiveram também presentes os líderes parlamentares do PS e PSD, Carlos César e Fernando Negrão.

Na Assembleia da República estão dois diplomas chave para todo este processo. A lei-quadro da descentralização, que chegou ao Parlamento em março de 2017, e a Lei das Finanças Locais, que foi a debate a 15 de junho último e baixou sem votação, e que praticamente já não tem tempo para a discussão na especialidade. Ao que o DN apurou, tanto do lado do PS, como do PSD, ficou a garantia de que será feito um derradeiro esforço para que a questão da transferência de competências fique fechada ainda nesta sessão. Já o governo comprometeu-se a acelerar as negociações com a ANMP.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.