29 idosos amarrados, torturados e violentamente agredidos

A PJ deteve quatro suspeitos, com idades entre 22 e 28 anos. Atuavam encapuzados, arrombavam as portas ou janelas de casas isoladas durante a noite. Usavam bastões e facas para espancar os idosos e roubá-los

"Nunca vimos tanta violência gratuita contra pessoas tão vulneráveis e frágeis", desabafava ao DN há poucos minutos Valter Constantino, o coordenador da diretoria do Centro da PJ, responsável pela operação. Quase três dezenas de idosos foram violentamente agredidos na zona centro do país, tendo uma senhora com 85 anos sido espancada até à morte. Um senhor com 74 anos está internado em estado muito grave desde julho. Há um juiz jubilado entre as vítimas

A PJ deteve esta terça-feira quatro suspeitos, com idades entre os 22 e os 28 anos e estão indiciados por diversos crimes de roubo, de sequestro e de um homicídio, ocorridos desde o início do passado mês de fevereiro, nos concelhos de Leiria, Marinha Grande, Pombal, Figueira da Foz e Coimbra. O objetivo do gangue era o roubo, nomeadamente objetos em ouro ou dinheiro que as pessoas pudessem ter em sua casa, mas acabavam por os agredir desmesuradamente.

Os alvos eram normalmente casas mais isoladas e o ataque era durante a noite. Acordavam as vitimas com violência exigindo que lhes dissessem onde estava o ouro. Há nove casais que foram espancados e os restantes são idosos que viviam sozinhos. "As pessoas nem tinham tempo de reagir. Eram acordadas bruscamente e começavam a bater-lhes. Havia quem dissesse logo onde estava o dinheiro implorando que as deixassem, mas eles não queriam saber e continuavam".

Em julho o pesadelo calhou a um casal do Pombal e a mulher, de 85 anos, foi de tal forma espancada que não resistiu e morreu. Noutro caso, em junho, os assaltantes agrediram e torturaram uma das vítimas, durante mais de uma hora e meia, sendo que, dada a gravidade das lesões sofridas, essa vítima ainda se encontra internada num centro hospitalar. Tem 74 anos e ainda não consegue falar, por ter sofrido muitas lesões na cabeça. Durante as agressões foi também amarrado e sofreu cortes nos órgãos genitais. "Durante a tortura desmaiava de sofrimento e os assaltantes atiravam-lhe água para a cara para que acordasse e continuassem a violência", conta o coordenador da PJ.

A operação que levou à detenção dos presumíveis autores dos hediondos crimes, denominada "Operação Sénior", incidiu em diversos locais da faixa litoral, entre as cidades da Figueira da Foz e a Marinha Grande. Além de investigadores da Diretoria do Centro e dos Departamentos de Investigação Criminal de Aveiro, Guarda e Leiria, a PJ contou com a colaboração e apoio de várias equipas da GNR e da PSP dos Comandos de Leiria e Coimbra.

Quando estava a deter os quatro assaltantes, a PJ prendeu ainda, em flagrante delito, um outro homem, suspeito de integrar o mesmo grupo, pela posse de substâncias estupefacientes.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.