Costa vai esta tarde a Monchique

O primeiro-ministro, António Costa, desloca-se esta tarde a Monchique, às 15:00, acompanhado por ministros e secretários de Estado, para se reunir na câmara local com os autarcas das zonas afetadas pelo incêndio

Uma semana depois de ter começado em Perna Negra, consumindo 27 mil hectares, o incêndio de Monchique foi dado como dominado. Esta tarde, o primeiro-ministro António Costa desloca-se à zona da área ardida acompanhado de ministros e secretários de Estado.

A delegação chefiada pelo chefe do governo será composta pelos ministros da Administração Interna, Eduardo Cabrita, Adjunto, Pedro Siza Vieira, e pelos secretários de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson Souza, do Turismo, Ana Mendes Godinho, da Habitação, Ana Pinho, da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira, e das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Miguel Freitas, informou fonte do gabinete de Costa.

Na reunião estarão os presidentes das câmaras de Monchique, Portimão e Silves bem como representantes da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve e da Associação de Municípios do Algarve.

O objetivo, adiantou a fonte do gabinete do primeiro-ministro, é fazer um ponto de situação da necessidade imediata de apoios e estudar as respostas a dar às populações.

A deslocação do primeiro-ministro surge após a visita do ministro da Administração Interna Eduardo Cabrita a Monchique esta manhã.

Estas visitas estão articuladas com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que também irá ao local, embora ainda não tenha sido anunciada uma data.

A segunda comandante operacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), Patrícia Gaspar, deu hoje como dominado o incêndio que lavra há uma semana em Monchique, mas sublinhou que ainda não é o momento de cruzar os braços.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.