Homem de Celorico de Basto acusado de matar o pai a golpes de navalha

Depois de falhar uma tentativa de asfixiar o pai com uma corda, o arguido recorreu a uma navalha para o matar, de acordo com o Ministério Público.

O Ministério Público de Guimarães atribuiu a um homem de Celorico de Basto o homicídio do próprio pai a golpes de navalha "para vingar comportamentos passados", anunciou esta quinta-feira a Procuradoria Regional do Porto.

Segundo a Procuradoria, que cita a acusação do Ministério Público (MP) de Guimarães, o arguido recorreu à navalha para matar o pai, na casa deste, depois de falhar uma tentativa de o asfixiar com um corda.

"Após troca breve mas exaltada de palavras, logrou passar-lhe uma corda em volta do pescoço e apertar", descreve a acusação.

Como a corda rebentou e a vítima "fez menção de reagir", o arguido "sacou de uma navalha, abriu-a e com a mesma golpeou o seu pai por várias vezes, com tudo lhe causando a morte", acrescenta.

Os factos da acusação ocorreram a 5 de setembro de 2019, entre as 22:00 e as 22:30, em Canedo de Basto, uma localidade do concelho de Celorico de Basto, no distrito de Braga.

O arguido está acusado pela autoria de homicídio qualificado.

Matou o pai "para vingar comportamentos passados"

O processo tem um segundo arguido, amigo do alegado homicida, por cumplicidade na prática do crime.

"Este amigo aceitou ajudá-lo, acompanhando-o à residência da vítima, ficando no exterior a vigiar e para acudir, se necessário fosse", conta o MP.

O alegado autor material do homicídio, de 28 anos, foi detido em janeiro deste ano após regressar de um país europeu para onde fugira, informou nessa ocasião a Polícia Judiciária (PJ) de Braga.

Referindo-se ao crime, a PJ referiu, num comunicado então emitido, que o presumível autor atuou "num quadro de grande violência, motivado por sentimentos de raiva e vingança" contra o pai, de 54 anos.

Já a Procuradoria do Porto, numa alusão às motivações do alegado homicida, afirma apenas que agiu "para se vingar por comportamentos passados" da vítima.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG