Guardas prisionais em greve desde hoje até terça-feira

É a segunda paralisação destes profissionais este ano

Os guardas prisionais iniciam uma greve com início às 16:00 de hoje até às 08:00 de 11 de junho, uma paralisação que vai prejudicar as visitas dos familiares.

Segundo o presidente do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional (SNCGP), Jorge Alves, a greve vai inviabilizar uma das duas visitas semanais dos familiares dos detidos.

A greve, adianta o sindicalista, é um protesto contra a falta de avaliação de desempenho, que "há cinco anos aguarda regulamentação", pela classificação de serviço de 2018 "que devia ter sido conhecida em abril", pela contagem do tempo de serviço congelado e ainda contra o novo horário de trabalho.

A remuneração dos guardas segundo a tabela aplicada aos agentes da PSP é outra das reivindicações do sindicato, a maior estrutura representativa do setor, com Jorge Alves a garantir que a secretária de Estado da Justiça Helena Mesquita tinha prometido que a questão estaria regulamentada no espaço de três meses.

Esta é a segunda greve dos guardas prisionais este ano.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.