Produção ilegal de tabaco. GNR apreende 15 milhões de cigarros e detém 13 pessoas

Na operação foi apreendido tabaco suficiente para introduzir no consumo cerca de 46 milhões de cigarros. A investigação decorria há ano e meio e levou ao desmantelamento de uma fábrica ilegal de manufaturação de cigarros em larga escala.

Treze pessoas foram detidas na terça-feira na zona de Loulé, distrito de Faro, no âmbito da Operação "DYNAMO", de combate à comercialização ilegal de tabaco, tendo sido apreendidos 15 milhões de cigarros, anunciou esta quarta-feira a GNR.

Em comunicado, a GNR adianta ter desencadeado na terça-feira, através do destacamento de Ação Fiscal de Faro, na zona de Loulé, uma operação policial na qual foram detidas 13 pessoas, 12 homens e uma mulher, com idades entre os 30 e os 65 anos, de nacionalidade polaca, ucraniana, romena, russa e portuguesa.

Na operação foi apreendido, segundo a GNR, tabaco suficiente para introduzir no consumo cerca de 46 milhões de cigarros.

A investigação à "organização criminosa internacional que se dedicava à produção e comercialização fraudulenta de tabaco" decorria há ano e meio e levou ao desmantelamento de uma fábrica ilegal de manufaturação de cigarros em larga escala.

Na terça-feira, a GNR deu cumprimento a 14 mandados, dos quais cinco de detenção, sete de busca domiciliária, um de busca à fábrica de manufaturação ilícita de tabaco e um de busca ao armazém utilizado para o depósito da produção ilícita.

Apreendidas 17 toneladas de folha de tabaco

Durante a operação, a GNR apreendeu cerca de 15 milhões e 600 mil cigarros produzidos na fábrica, cerca de 17 toneladas de folha de tabaco (daria para produzir cerca de 16 milhões e 800 mil cigarros), cerca de 14 toneladas de tabaco triturado (daria para produzir 13 milhões e 750 mil cigarros) e cinco máquinas utilizadas na trituração de folha de tabaco, manufatura e acondicionamento.

Os militares apreenderam ainda matérias-primas diversas utilizadas na produção ilícita, como filtros, colas, boquilhas, tubos para cigarros, cartão de maços, celofane, papel de tabaco e caixas para embalar tabaco, seis viaturas ligeiras e uma arma de fogo.

"Estima-se que a fraude e evasão fiscal, gerada pela produção e comercialização do tabaco produzido na referida fábrica, que tinha como destino o território nacional e países da União Europeia, seja de montante superior a 9 milhões e 600 mil euros", destaca a GNR.

Operação inédita contou com apoio da EUROPOL

A operação, que a GNR diz ser inédita em Portugal, culminou com o desmantelamento da primeira infraestrutura de produção massificada de cigarros em Portugal e contou com o apoio da EUROPOL e com a colaboração da Polish Border Guard e da Polish Police.

A operação "DYNAMO" envolveu 100 militares, da Unidade de Ação Fiscal, da Unidade de Intervenção e dos Comandos Territoriais de Beja, Évora, Faro, Portalegre e Santarém.

A GNR adianta ainda que foram constituídos dois arguidos de nacionalidade grega, com 37 e 60 anos, suspeitos de integrarem este grupo criminoso. Um dos detidos tinha um alerta internacional para efeitos de detenção e entrega ou extradição, através do sistema Schengen.

Os detidos serão presentes esta quarta-feira ao Tribunal de Faro, para 1.º interrogatório judicial e para aplicação de medidas de coação.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.