Furtos de armas: suspeito de Tancos e da PSP ficou em prisão preventiva

Cinco dos oito detidos pela PJ, suspeitos de envolvimento no furto do material de guerra em Tancos ficaram em prisão preventiva

A. Laranginha é o ponto e comum entre a investigação ao furto do material militar de Tancos, em junho de 2017, e o furto das 57 pistolas Glock da sede da PSP, este detetado no final de janeiro do mesmo ano.

Foi detido esta segunda-feira pela PJ, numa operação a cargo do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP). Ouvido esta noite pelo juiz de instrução criminal, foi-lhe decretada a prisão preventiva.

A mesma medida de coação foi decretada a outros cinco dos oito detidos no âmbito da operação de Tancos, relacionada com este furto. Um outro suspeito, um ex-militar, que tinha escapado à operação da PJ, por estar fora do país, vai ser esta quarta-feira presente ao juiz.

Laranginha terá sido o intermediário para a venda das pistolas Glock, quatro das quais - do total de oito que foram entretanto recuperadas - foram apanhadas em Espanha pela autoridades daquele país, o que indicia tráfico de armas - um dos crimes investigados, a par com a associação criminosa.

Enquanto no caso de Tancos estão a ser investigados "factos suscetíveis de integrarem a prática dos crimes de associação criminosa, tráfico de armas internacional e terrorismo internacional". No caso do furto das Glock estão em causa crimes de "associação criminosa, peculato e tráfico de armas".

Ambos foram dirigidos pelo DCIAP, o de Tancos coadjuvado pela PJ, o das pistolas, pela PSP. Em comum, além de Laranginha, têm a associação criminosa e o tráfico de armas - internacional no caso do furto nos paióis militares. No inquérito de Tancos o Ministério Público (MP) está também a investigar possíveis ligações ao terrorismo internacional.

Terrorismo internacional

No entanto, ao que o DN conseguiu apurar, neste momento apenas um dos arguidos detidos em Setembro, o ex-fuzileiro suspeito de ter organizado o assalto a Tancos, em prisão preventiva, está indiciado por este crime, juntamente com o tráfico de armas e droga.

De acordo com o advogado Carlos Melo Alves, que defende dois dos suspeitos detidos esta segunda-feira, estes arguidos "estão indiciados por participar no furto de Tancos, embora nenhum esteja indiciado por terrorismo internacional".

Exclusivos

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.