Freixo de Espada à Cinta destaca referência de Xi Jinping no DN

Presidente chinês apontou a sericultura na vila transmontana como um exemplo de proximidade histórica e cultural entre os dois países e o DN foi conhecer os segredos da "terra da seda"

Em Freixo de Espada à Cinta reside o último reduto da seda natural na Europa. Naquela vila transmontana, situada nas bordas do Douro já bem juntinho a Espanha, o ciclo de produção da seda é todo ele ainda desenvolvido de forma artesanal.

Uma tradição que resiste e que ganhou fama global, chegando até Oriente, ao país que deu a seda a conhecer ao mundo. Xi Jinping, o presidente da China, destacou isso mesmo no artigo de opinião que escreveu para o Diário de Notícias a antecipar a vista de Estado a Portugal e que foi publicado no último domingo.

"Freixo de Espada à Cinta, um município no nordeste de Portugal, adotou, desde cedo, as técnicas da sericultura e da fabricação do tecido que vieram da China, e por isso é conhecido como a "terra da seda"", escreveu o líder chinês. Frase que o município transmontano destaca esta terça-feira, primeiro dos dois dias da visita de Estado de Xi Jinping a Portugal, na sua página oficial no Facebook.

Também na página do Museu da Seda e do Território de Freixo de Espada à Cinta, onde o DN pôde testemunhar como é preservada a arte da sericultura artesanal através das mãos de duas tecedeiras (Júlia e Liliana), é destacada a reportagem publicada pelo Diário de Notícias, bem como o artigo de opinião de Xi Jinping e o editorial da diretora executiva Catarina Carvalho.

De resto, o museu foi também visitado, por estes dias, pelo principal jornal chinês, o People's Daily, que já passara pela redação do DN para fazer uma entrevista com o diretor Ferreira Fernandes.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.