Fraudes nos fundos da UE. Chefe de gabinete do secretário de Estado demite-se

O chefe de gabinete do secretário de Estado da Proteção Civil, Adelino Mendes, é um dos 73 arguidos de uma investigação que visa fraudes de milhões de euros na obtenção de subsídios da União Europeia e foi alvo de buscas esta quinta-feira

De acordo com um comunicado oficial do ministério da Administração Interna, "na sequência da constituição como arguido em processo relativo à sua atividade profissional anterior ao exercício de funções no Gabinete do Secretário de Estado da Proteção Civil, o Dr. Adelino Gonçalves Mendes pediu a exoneração das funções de Chefe do Gabinete. O pedido foi aceite pelo Secretário de Estado da Proteção Civil".

Esta tarde, mais de 100 inspetores da PJ, magistrados do DCIAP e elementos da Autoridade Tributária, estiveram no terreno numa megaoperação no âmbito de uma investigação que já decorre há dois anos.

Nesta altura, foram já constituídos 73 arguidos, entre empresas e particulares : 52 na primeira fase, a que se juntaram esta tarde outros 19 arguidos (8 pessoas e 11 empresas).

Em causa estão, além dos crimes relacionados com a fraude na obtenção dos subsídios, crimes de fraude fiscal qualificada, de branqueamento de capitais e de falsificação de documentos.

Adelino Mendes, 45 anos, foi vereador da câmara municipal do Pombal. No curriculum publicado por altura da sua nomeação está registado que a última função que desempenhou antes de integrar o gabinete de Artur Neves foi a de vice-presidente do Agrupamento Complementar de Empresas Somos Ambiente (em 2015). Antes disso tinha passado por outras empresas ligadas ao ambiente e à construção: a Tecnorém e a Ambimpombal.

Foi líder concelhio do Partido Socialista de Pombal e cabeça de lista nas duas últimas eleições Autárquicas, tendo saído derrotado.

Como titular de cargos públicos, já tinha sido antes chefe de gabinete da secretária de Estado da Administração Interna, Dalila Araújo, no último governo de José Sócrates e teve o mesmo cargo com José Miguel Medeiros, ex-secretário de Estado da Proteção Civil, já com o atual executivo. Foi ainda adjunto do governador civil de Leiria, entre 2005 e 2008 e membro da Assembleia de Freguesia e da Assembleia Municipal de Pombal.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.