E-Toupeira. Os 21 processos do Benfica que foram espiados

Segundo consta no despacho do Tribunal da Relação, que decidiu não levar a SAD do Benfica a julgamento, foram estes alguns dos inquéritos a que José Silva (funcionário judicial) terá acedido, a pedido de Paulo Gonçalves.

O clube da luz, com a alegada cumplicidade de José Silva, funcionário do ministério da Justiça, é acusado de ter acedido ilegalmente a processos judiciais da 9.ª secção do Departamentos de Investigação e Ação Penal (DIAP). Segundo o Ministério Público pelo menos 10 processos foram consultados ilegitimamente, entre os quais os dos e-mails e dos vouchers . O acesso foi feito através do username e da password da magistrada Ana Paula Vitorino. Estes são alguns dos processos em causa.

O Tribunal de Relação de Lisboa negou o recurso do Ministério Público (MP) para levar a julgamento a SAD do Benfica, bem como os arguidos Júlio Loureiro e Paulo Gonçalves, pela prática do crime de oferta ou recebimento indevido de vantagem. Estes últimos, no entanto, serão julgados por outros crimes.

1- Jogo Aves / Benfica
O Inquérito correu termos no DIAP de Lisboa, foi instaurado por denúncia de Vítor Silva contra Luís Filipe Vieira, por declarações deste relativas a uma ocorrência no jogo Aves/ Benfica, de 22/10/2017. O presidente da SAD Benfica foi constituído arguido a 8/1/2018. Pelo menos no dia 15 de janeiro de 2018, José Silva guardava informação sobre este processo no seu computador.

2- Queixa contra Nuno Saraiva
O Inquérito iniciou-se a 2 de fevereiro de 2018, por denúncia apresentada por Sport Lisboa e Benfica Futebol SAD contra Nuno Saraiva, Sporting Clube de Portugal, Sporting Clube de Portugal - Futebol SAD, Sporting - Comunicação e Plataformas, SA, na sequência de declarações efetuadas por Nuno Saraiva em programa da Sporting TV.

3- Denúncia de jornalista
Em causa neste inquérito está uma queixa entrada a 28 de julho de 2017, apresentada por Bernardino Barros, jornalista, contra Hugo Emanuel Marques Gil, autor, entre outras, da página do Facebook "Hugo Gil e Benfica" por afirmações por este efetuadas na referida página.

4- Ex-Árbitro arguido
Este processo tem como arguido Hernâni de Jesus Fernandes, trabalhador do Sporting Clube de Portugal e antigo árbitro, pessoa em relação à qual, Paulo Gonçalves também terá pedido informações constantes da base de dados da Segurança Social

5- Bilhetes para Mário Centeno
Este inquérito investigou a "suspeita de que a disponibilização/ recebimento pelo Sr. Ministro Mário Centeno de bilhetes para o jogo entre Sport Lisboa e Benfica e Futebol Clube do Porto foi a contrapartida por algum tipo de influência na concessão de isenção de IMI a imóveis detidos pela sociedade dos filhos de Luís Filipe Vieira, Presidente do Sport Lisboa e Benfica", designadamente Tiago Vieira. Foi arquivado por despacho de 01/02/2018.

6- Denúncia contra Bruno de Carvalho
Este inquérito surge com denúncia anónima contra "Bruno de Carvalho, presidente do Sporting", estando em segredo de justiça desde 31/01/2018.

7- Benfica contra Fernando Marques
Tal inquérito foi iniciado a 11/08/2017, após denúncia da Sport Lisboa e Benfica - Futebol, SAD contra Francisco José de Carvalho Marques e Avenida dos Aliados - Sociedade de Comunicação, SA, por divulgação de correspondência eletrónica de elementos da Sport Lisboa e Benfica - Futebol, SAD.

8- Corrupção na arbitragem
O processo foi aberto na sequência de denúncia anónima em que era visada a SL Benfica - Futebol SAD por eventual "esquema de corrupção na arbitragem para beneficiar o Benfica". Foi acedido todo o histórico do inquérito que continha a data de autuação, magistrada titular e oficial de justiça encarregue do cumprimento, identificação dos denunciados (Pedro Guerra, Adão Mendes e Sport Lisboa e Benfica, SAD), conclusão e remessa dos autos à Unidade Central de Lisboa- Juízo de Instrução Criminal, conclusão ao juiz 5, devolução dos autos ao DIAP, conclusão à magistrada titular, informação da remessa dos autos ao OPC para investigação e respetivo prazo, classificação do processo como confidencial, fenómeno criminoso indiciado (corrupção na atividade desportiva) e origem da denúncia (DCIAP).

9- Liga Ledman
Este inquérito teve origem em certidão extraída de outro inquérito e iniciou-se a 5 de junho de 2017, investigando-se a prática de crime de corrupção ativa em competição desportiva, no âmbito de manipulação de jogos de futebol da Liga Ledman Pro (II Liga).

10- Contrato de Trabalho
Este processo administrativo serviu de acompanhamento à ação especial de simples apreciação de reconhecimento da existência de contrato de trabalho que correu termos no Juízo do Trabalho do Barreiro, sendo autor o Ministério Público, em representação de trabalhadora, e ré o Sport Lisboa e Benfica.

11- Claques do Benfica
Neste inquérito foi denunciante o Instituto Português do Desporto e Juventude, IP e investigaram-se factos suscetíveis de configurar a prática de crime de acesso ilegítimo através do qual desconhecidos acederam a computador daquela instituição e colocaram no ecrã inicial pastas relacionadas com as "claques do Benfica".

12- Caso Ljubomir Fejsa
Esta ação foi intentada por Maria de las Mercedes Peña y Moreno contra Ljubomir Fejsa, jogador profissional de futebol do Sport Lisboa e Benfica, e o Sport Lisboa e Benfica - Futebol SAD.

13- Caso Galp/Energia
Neste inquérito investigou-se a eventual prática de crime de recebimento indevido de vantagem entregue pela empresa Galp Energia, SA, a titulares de cargos políticos ou altos cargos públicos, no âmbito do Campeonato da Europa de Futebol Euro2016.

14- Corrupção na Segurança Social
Neste inquérito investigaram-se factos suscetíveis de configurar crime de corrupção passiva praticado por funcionários do Centro Distrital de Lisboa da Segurança Social.

15 -Suspeitas de crimes no SEF
Neste inquérito investigaram-se eventuais crimes cometidos em departamento do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF). Está relacionado com a aquisição de bilhetes do SL Benfica para dois jogos, tendo sido objeto de resposta no dia 3 de novembro de 2016, por parte de Rui Pereira, diretor da Direção de Prevenção, Segurança e Organização de Jogos do Sport Lisboa e Benfica.

16- Entrevista de Bruno de Carvalho
Este inquérito iniciou-se a 21/10/2015, na sequência de denúncia da Federação Portuguesa de Futebol após "entrevista concedida pelo Exmo. Senhor. Bruno Miguel Azevedo Gaspar de Carvalho, Presidente do Conselho de Administração da Sporting Clube de Portugal - Futebol, SAD, ao programa Prolongamento do canal de televisão TVI24, no passado dia 5 de outubro".

17- Acesso ilegítimo
Este inquérito foi aberto depois de denúncia da Sport Lisboa e Benfica - Futebol, SAD contra incertos por acesso ao sistema informático do clube, designadamente ao correio eletrónico, com posterior divulgação pública. Será um dos casos que as autoridades podem vir a ligar ao hacker Rui Pinto, em prisão preventiva.

18 - Denúncia da Doyen
Este inquérito teve origem em denúncia apresentada pela Doyen Sports Investments Limited contra desconhecidos, tendo sido posteriormente incorporadas as queixas apresentadas por Nélio Freire Lucas e queixa apresentada por Sporting Clube de Portugal, Futebol SAD. Será este o processo que levou à detenção do hacker Rui Pinto.

19- Miguel Sousa Tavares réu
Esta ação de processo comum corre termos no juízo central cível de Lisboa, sendo autor o Futebol Clube do Porto - Futebol, SAD e réu Miguel Sousa Tavares, Vítor Serpa e a Sociedade Vicra Desportiva

20- Caso Belenenses
Esta ação executiva para pagamento de quantia certa - dívidas de salários, diferenças salariais e indemnizações - correu termos no Juízo do Trabalho de Lisboa, sendo exequente Pedro Manuel Safara da Silva Inácio e executado Os Belenenses - Sociedade Desportiva de Futebol, SAD.

21- Corrupção desportiva
Neste inquérito investigou-se a eventual prática de crime de corrupção (na atividade desportiva), sendo um dos denunciados o Sport Lisboa e Benfica Futebol SAD. Este inquérito foi arquivado por despacho datado de 23/09/2016.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?