Duarte Lima entregou-se em Caxias mas foi transferido para a Carregueira

Duarte Lima entregou-se no estabelecimento prisional da sua área área de residência para cumprir três anos e meio de prisão. Passaram mais de quatro anos após ter sido condenado por burla qualificada.

Duarte Lima entregou-se na manhã desta sexta-feira no Estabelecimento Prisional de Caxias depois de ter sido emitido o mandado de detenção em seu nome. Após ter informado a Direção-geral de Reinserção e Serviços Prisionais que pretendia apresentar-se sem necessidade de ser conduzido pela polícia o advogado chegou à prisão que está situada na sua área de residência para cumprir os três anos e meio de pena que faltam da condenação a seis anos. Entretanto, segundo a Lusa, já foi transferido para a Carregueira, em Sintra.

Duarte Lima foi condenado em 2014 a seis anos de prisão depois de ter sido considerado culpado de burla qualificada por ter desviado fundos do Banco Português de Negócios (BPN) burlando os proprietários de terrenos onde estava prevista a construção da nova sede do IPO - Instituto Português de Oncologia. Em causa estavam os negócios, realizados em 2007, relacionados com um fundo imobiliário chamado Homeland, criado por Lima, pelo filho e por um advogado.

O ex-deputado do PSD foi transferido de Caxias para a Carregueira poucas horas depois de se ter entregado. Durante alguns dias, deverá ficar detido no setor de admissão, local onde os detidos permanecem para se adaptarem à reclusão.

Este fundo obteve um financiamento de 43 milhões de euros e o ex-líder da bancada parlamentar do PSD, no entender do tribunal de 1.ª instância que o condenou apropriou-se de parte significativa deste valor. Lima foi detido em novembro de 2011, ficou em prisão preventiva que mais tarde passou a domiciliária até abril de 2014, quando o tribunal levantou a medida de coação. Ficou em liberdade até ao final do julgamento.

O antigo líder parlamentar do PSD foi apresentando recursos da condenação em primeira instância, incluindo para o Supremo Tribunal de Justiça e para o Tribunal Constitucional, mas foram sempre recusados. Assim, a decisão acabou por transitar em julgado este ano mais de quatro anos após a condenação.

Duarte Lima está ainda envolvido num outro processo judicial: está acusado no Brasil pelo homicídio a 7 de dezembro de 2009 de Rosalina Ribeiro, companheira do milionário português já falecido Lúcio Tomé Feteira. É também suspeito de ter apropriado de cinco milhões de euros que pertenceriam a Rosalina, mas que o antigo deputado e líder parlamentar do PSD sempre disse serem pagamento por serviços que prestou como advogado.

Neste caso, as autoridades judiciais daquele país decidiram, depois de ficar claro que não conseguiriam a sua extradição para o Brasil, que será julgado em Portugal, decisão que o advogado contestou, mas que não conseguiu evitar.

(Notícia atualizada às 13.40)

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?