Do Gerês para o país: agentes especiais vão proteger floresta

Limpar matas, educar as populações e restaurar vegetação nativa para prevenir incêndios. O Corpo Nacional de Agentes Florestais, criado há dois anos no Gerês, expande-se a oito áreas protegidas

Nas matas do estado, a palavra de ordem é recuperar a floresta autóctone. É essa a mensagem da resolução que o Conselho de Ministros aprovou hoje: há 8,5 milhões de euros para restaurar os habitats nativos de oito parques naturais, reservas e paisagens protegidas

É a expansão de um modelo que arrancou há dois anos no Gerês e o ano passado foi replicado em quatro parques naturais: Douro e Tejo Internacional, Montesinho e Malcata.

A face mais visível do projeto é a introdução no terreno de equipas do Corpo Nacional de Agentes Florestais - que não só limpam as matas e servem de primeira força de intervenção nos incêndios, como combatem espécies invasoras e recuperam os cobertos vegetais originais das áreas protegidas.

Agora, as mesmas medidas são aplicadas nos Parques Naturais da Arrábida, Ria Formosa, Serra de São Mamede, Serra de Aire e Candeeiros, Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, na Reserva Natural da Lagoa de Santo André e nas Paisagens Protegidas da Serra do Açor e da Arriba Fóssil da Costa da Caparica.

O ano em que Portugal ardeu menos

No Gerês, de 2016 para 2017, houve uma redução de 44,9% da área ardida. E, de 2017 para 2018, ardeu menos 93%. O ministério do Ambiente acredita que há uma casualidade direta por causa da aplicação destes planos de prevenção. Globalmente, 2018 foi o ano que menos floresta ardeu em Portugal neste milénio.

As brigadas do Corpo Nacional de Agentes Florestais são constituídas por cinco homens. Trabalham exclusivamente em áreas protegidas e fazem-no durante o ano todo.

Não só cumprem as funções dos sapadores florestais - limpando matas, mantendo faixas de gestão e intervindo no primeiro combate aos incêndios - como eliminam as espécies invasoras que infestam zonas nativas, fazem trabalho de educação ambiental e recuperam os cobertos vegetais autóctones.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG