Diretora de Informação da RTP diz que "não chegou a informação de que havia notícia"

A diretora de informação da RTP, Maria Flor Pedroso, disse esta terça-feira que "não chegou a informação de que havia notícia" sobre o lítio à direção da estação, referindo-se ao adiamento do programa Sexta às 9.

"Esta direção de informação não guarda notícias na gaveta. À direção de informação, à coordenação da RTP, não chegou a informação de que havia a notícia X e que estava pronta para ir para o ar", disse Maria Flor Pedroso no parlamento sobre a emissão do programa Sexta às 9 que foi adiada para outubro, e cujo tema estava relacionado com a exploração de lítio.

No entanto, anteriormente, a diretora da RTP disse que a direção "sabia que isto [o lítio] estava a ser investigado", mas que ninguém abordou a estrutura com a abordagem "há isto, vou fazer, vamos programar".

Maria Flor Pedroso reiterou que o adiamento da emissão do programa "não tem nada a ver com o tema do lítio". "Se houvesse notícia sobre o lítio, ela iria para o ar assim que ela estivesse pronta para ir para o ar, em tempo de campanha eleitoral ou não", acrescentou, referindo ainda que para si é " absolutamente irrelevante" se é tempo de campanha ou não para a emissão de notícias.

A jornalista disse ainda que na reunião de 23 de agosto, que ditou o adiamento do programa, nem a própria nem a diretora-adjunta Cândida Pinto foram para o encontro "a pensar que não iria haver Sexta às 9 durante a campanha eleitoral". "A RTP não suspendeu programa nenhum durante a campanha eleitoral. Suspender, do meu ponto de vista, era uma de duas coisas: para já, tem uma carga negativa, a suspensão. Eu não tenciono acabar com nenhum dos programas, e portanto não suspendi nenhum. Por outro lado, a possibilidade de avaliar se o programa continuaria ou não. Nada disso passou pela nossa cabeça", garantiu a diretora de informação.

Maria Flor Pedroso disse ainda que antes das férias de verão, alguns elementos da equipa do Sexta às 9 quiseram sair, e que a RTP, dentro dos seus "parcos recursos", arranjou outros jornalistas para compor a equipa.

A investigação em causa, emitida no âmbito do programa Sexta às 9 na RTP, contou com o depoimento do antigo presidente da Câmara do Porto, Nuno Cardoso, que disse ter avisado, em reunião, o ministro do Ambiente, Matos Fernandes, e o secretário de Estado João Galamba das alegadas ilegalidades decorrentes da concessão da exploração de lítio a uma empresa que tinha sido recentemente criada.

Dois dias após o encontro, João Galamba assinou o contrato para a construção da refinaria de lítio, um negócio, segundo a investigação de Sandra Felgueiras, avaliado em, pelo menos, 350 milhões de euros.

Paralelamente, o episódio do Sexta às 9 avançou ainda que o antigo secretário de Estado Jorge Costa Oliveira estava também ligado ao negócio, como consultor financeiro.

Sobre o contraditório efetuado ao longo do trabalho de investigação do Sexta às 9, a jornalista Sandra Felgueiras assegurou também esta terça-feira no parlamento que foi "sempre" feito com João Galamba, mas que "as respostas foram sempre negativas, ou então ele dizia que nós a ignorávamos". "O que aconteceu no programa seguinte é que o senhor secretário de Estado, depois de me ter respondido e ao Luís Miguel Loureiro [jornalista do Sexta às 9], autores desta reportagem, que não tinha nada para responder, fez um contacto via assessores com a direção de informação. E desse contacto resulta que eu sou chamada à direção de informação para que o senhor João Galamba venha ao programa. E naturalmente que eu não vou negar o contraditório", esclareceu Sandra Felgueiras.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...