Diamond Princess. Os outros quatro portugueses a bordo deram negativo

Dos cinco cidadãos com nacionalidade portuguesa que estão a trabalhar no navio de cruzeiro, apenas Adriano Maranhão está infetado pelo coronavírus.

A Direção-Geral da Saúde informou este domingo que quatro tripulantes de nacionalidade portuguesa no Diamond Princess, o navio em quarentena no porto japonês, apresentaram testes negativos ao coronavírus. Apenas um português, Adriano Maranhão, deu positivo.

Dois dos cinco cidadãos com nacionalidade portuguesa são de origem macaense.

O canalizador da Nazaré, o primeiro português infetado com o covid-19, está em isolamento. Este domingo de manhã, quando falou com o DN, disse não ter sintomas, mas que já sente algum cansaço. Está confinado à cabine do cruzeiro onde trabalha desde a madrugada de sexta-feira para sábado (hora de Lisboa) e não voltou a ser visto pelos médicos desde quinta-feira quando fez o primeiro e único teste - telefonaram-lhe a perguntar como se sentia e se tinha febre. A sua temperatura era de 36,8 graus e por isso não foi ainda medicado.

O comunicado da DGS reforça isso mesmo: "O cidadão permanece assintomático e em isolamento para prevenção do contágio a outras pessoas. As pessoas com testes positivos a bordo deste navio têm sido transferidas para um hospital de referência no Japão, de acordo com prioridade do seu estado clínico e cumprindo o protocolo estabelecido neste país."

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, já disse que o facto de Adriano Maranhão se encontrar assintomático é um bom sinal. "Temos de estar tranquilos e pensar que este nosso concidadão, para bem dele, e ainda bem, até à data não apresenta sintomas, vamos aguardar para ver a evolução, mas estar assintomático é, por enquanto, positivo."

Adriano Maranhão foi entretanto contactado pela embaixada portuguesa no Japão, que numa primeira fase, lhe disse que deveria sair entre domingo e segunda-feira para ser internado num hospital de referência. Num segundo contacto, a data foi estendida para terça-feira.

A DGS garante que continua a acompanhar a situação em articulação com o Ministério dos Negócios Estrangeiros e com as autoridades de saúde pública japonesas.

O Diamond Princess é o maior foco de coronavírus fora da China, sendo que cerca de 80% dos passageiros têm mais de 60 anos - até agora morreram duas pessoas a bordo do navio, uma mulher e um homem octogenários já com problemas de saúde. Das cerca de 3 700 pessoas que acolhia, 600 terão sido infetadas.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG