Denunciou racismo na PSP e foi expulso do maior sindicato

O maior sindicato da PSP cedeu à pressão dos polícias e não segurou o seu vice-presidente, Manuel Morais, que tem alertado para casos de racismo e xenofobia nas forças de segurança

Manuel Morais, agente do Corpo de Intervenção da PSP, deixou a vice-presidência da Associação Sindical de Profissionais de Polícia (ASPP), o maior sindicato da PSP no qual era um dirigente ativista há quase 30 anos.

Desde a passada sexta-feira que o presidente da ASPP, Paulo Rodrigues, estava a ser pressionado por sócios e, principalmente, por polícias que nas redes sociais e numa petição pública exigiam a demissão deste dirigente. Acabou por ceder e deixar cair um histórico do sindicalismo, que mais não tem feito, se não repetir o que diversas entidades internacionais já denunciaram.

Na origem desta onda de contestação está a opinião que Manuel Morais, 53 anos, expressou numa reportagem da SIC, na passada quinta-feira, sobre a intervenção policial violenta nas zonas urbanas sensíveis, na qual alertava para a necessidade de "desconstruir" o preconceito racial "na sociedade em geral", assumindo que o racismo e a xenofobia existem também nas forças de segurança.

Há cerca de um ano, numa entrevista ao DN em que também denunciara essas questões, foi também alvo de contestação interna, mas nessa altura a ASPP ainda o apoiou.

Esta manhã este agente do Corpo de Intervenção, licenciado em Antropologia e autor de uma tese sobre a preconceito racial na polícia, esteve presente numa reunião do Conselho Executivo da ASPP (com os membros da Direção) e não teve outra saída se não colocar o seu lugar à disposição, o que foi imediatamente aceite.

"Sou demitido porque penso, porque sou um cidadão livre", assinalou ao DN, confirmando a sua saída. Morais garante que mantém as suas ideias e que não cede a pressões. "Não recuo um milímetro no que expressei. Vou continuar a minha luta fora da ASPP. Nunca irei desistir daqueles que são as grandes linhas da minha vida: uma sociedade e uma polícia melhor! Serão os meus objetivos até ao último dia da minha vida".

Morais sublinha que, em contrapartida com o que aconteceu no sindicato, a "hierarquia da polícia" o tem tratado "com toda a dignidade".

Paulo Rodrigues, que não respondeu ao contacto do DN para comentar a saída de Morais, tinha admitido, na passada sexta-feira, que estava "muito difícil não ceder" à pressão quem vem dos associados, a pedir que Morais seja expulso. Garantiu que a ASPP "desconhecia" a participação do seu número dois no programa televisivo.

Para a ASPP, há outra preocupação ainda: com a nova lei sindical da PSP aprovada, que faz depender o número de dirigentes com direito a folgas sindicais da representatividade dos sindicatos, abriu a "guerra" entre as 17 estruturas para a "caça" ao sócio - e perder associados é fragilizar o seu poder.

"O que nos preocupa é que as declarações do Manuel Morais, apesar de terem sido a título pessoal, geraram uma enorme onda de contestação de muitos sócios que entendem que a opinião dele não representa os polícias", sublinhou Paulo Rodrigues.

A petição pública, que conta neste momento com menos de 300 assinantes, refuta qualquer comportamento racista na polícia. "Mesmo nos tempos de juventude, em que percorria os típicos bairros da Amadora, onde éramos apedrejados e cuspidos, como se fôssemos excremento. Mesmo aí, nunca vi ninguém usar da condição policial para ser arrogante, xenófobo ou racista", declara o criador do documento, que não se identifica.

A reportagem televisiva foi para o ar três dias depois de oito agentes da PSP terem sido condenados por sequestro, agressões e injúrias contra seis jovens da Cova da Moura, num processo que começou com uma acusação inédita contra 18 polícias, também pelo crime de tortura motivado pelo ódio racial.

A SIC garantiu que a peça nada teve a ver com o julgamento - aliás nenhuma referência é feita ao caso - e estava programada com antecedência. Na petição, no entanto, é salientado o timing da mesma, face à condenação dos agentes, servindo para criticar ainda mais Manuel Morais.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.