Clínicas de hemodiálise acusam autoridades de saúde de falta de resposta

As clínicas de hemodiálise, através da Associação Nacional de Centros de Diálise (Anadial), alertaram hoje para a situação dos insuficientes renais crónicos como "população de risco" face à Covid-19, acusando as autoridades de saúde de falta de resposta.

"As clínicas de diálise alertam para o elevado risco de contágio de Covid-19, que não está a ser minimizado por falta de resposta das autoridades de saúde", acusa a Anadial em comunicado.

A associação aponta que se trata de "situações da maior gravidade e emergência, face à natureza dos cuidados de saúde prestados", que considera vitais, observando que os doentes insuficientes renais crónicos terminais são uma população de risco para a pandemia, cuja média etária, em Portugal, ultrapassa os 70 anos.

Entre as falhas apontadas pelas clínicas de hemodiálise está a falta de equipamentos de proteção individual para os profissionais de saúde e a carência de médicos e enfermeiros, sugerindo para fazer face a esse cenário que seja criada "uma bolsa de enfermeiros adstrita às clínicas de hemodiálise".

A terminar, a Anadial aponta ainda como crítica a falta de transporte individual dos doentes de e para as clínicas de diálise, explicando que "o transporte múltiplo propicia a criação de novas cadeias de contágio" e "deita por terra qualquer plano de mitigação de propagação da Covid-19".

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19,infetou mais de 210 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 8.750 morreram. Das pessoas infetadas, mais de 84.000 recuperaram da doença.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) elevou hoje o número de casos confirmados de infeção para 642, mais 194 do que na terça-feira. O número de mortos no país subiu para dois.

Dos casos confirmados, 553 estão a recuperar em casa e 89estão internados, 20 dos quais em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI).

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG