Carro ardeu na Ponte 25 de Abril. Não houve feridos

Uma viatura incendiou-se no tabuleiro da ponte 25 de abril, o trânsito esteve cortado no sentido sul/norte, tendo a circulação sido normalizada horas depois.

A circulação na ponte 25 de Abril, no sentido sul/norte, já foi reaberta, apesar de ainda estar condicionada, depois de uma viatura se ter incendiado, disse à Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Setúbal.

"A última informação que recebemos da Lusoponte, cerca das 22:05, é que o trânsito já estava a circular no sentido sul/norte, apesar de ainda estar condicionado a uma das três vias existentes", disse fonte do CDOS.

Segundo a mesma fonte, ainda estavam a decorrer trabalhos de limpeza nas outras duas faixas de rodagem e, assim que forem concluídos, as faixas vão reabrir.

Uma viatura incendiou-se no tabuleiro da ponte 25 de abril, tendo obrigado ao corte do trânsito no sentido sul/norte. Não houve feridos.

Nas redes sociais começam a aparecer vídeos e fotos do incidente.

No local estiveram os bombeiros de Almada, bem como o Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa.

Notícia atualizada às 23:30.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.