Acusado de mais de 300 crimes de abusos sexuais a três netas é julgado em Coimbra

O Tribunal de Coimbra começa a julgar na segunda-feira um homem de 61 anos acusado de mais de 300 crimes de abusos sexuais a três netas, sendo também arguido um sobrinho, acusado de abusar de duas das vítimas.

Os dois arguidos estão presos preventivamente, sendo que o avô das vítimas é acusado de 375 crimes de abusos sexuais contra as três netas, entre 2015 e junho de 2018 (quando foi detido), e ainda dois crimes de pornografia de menores em relação a duas das vítimas.

Já o sobrinho das vítimas, é acusado de oito crimes de abuso sexual contra duas das menores e dois crimes de coação, refere a acusação do Ministério Público a que a agência Lusa teve acesso.

O avô das vítimas, divorciado e desempregado, vivia em Coimbra, e os crimes começaram a ser cometidos quando as suas netas tinham 15, sete e nove anos.

Segundo a acusação, as vítimas passavam "grande parte do tempo" na residência do seu avô, "pernoitando, muitas vezes, durante a semana, em período letivo e durante as férias".

De acordo com o Ministério Público, o arguido tirava fotos às menores, exigia-lhes "poses provocantes" e mantinha conversas "de cariz erótico e pornográfico" com as vítimas, para além dos abusos físicos de que foram alvo.

O sobrinho viveu na mesma residência entre 2016 e 2017, tendo cometido abusos contra as duas vítimas mais novas.

Na acusação consultada pela agência Lusa, o Ministério Público sublinha que este arguido "era violento e agressivo, nomeadamente com a própria mãe", cujas agressões já tinham dado origem a um processo de proteção que acabou arquivado.

No decorrer do tempo, uma das vítimas chegou "a sofrer abusos" dos dois arguidos no mesmo dia, refere o Ministério Público, sem esclarecer se os dois homens tinham consciência da atuação um do outro.

O julgamento começa na segunda-feira, às 09:00, à porta fechada, no Tribunal de Coimbra.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.