Marcelo revela que maioria dos feridos alemães voltam no sábado ao seu país

Presidente manifestou a "gratidão de todos os portugueses" pelo trabalho desenvolvido por quem prestou socorro às vítimas.

O Presidente da República deslocou-se hoje ao Hospital Dr. Nélio Mendonça e visitou os feridos do acidente que envolveu um autocarro, tendo adiantado que "a maioria" dos turistas alemães que ali se encontram regressa no sábado ao seu país.

"Como disse, amanhã [sábado] muitos dos doentes que aqui estão, alemães a grande maioria, parte para suas casas, mas encontrei naqueles turistas alemães com quem falei há pouco a mesma vontade, o mesmo reconhecimento, a mesma gratidão e a mesma vontade de não esquecerem a Madeira e de regressarem", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, à saída daquela unidade hospitalar do Funchal.

O chefe de Estado disse ter estado com os dois portugueses que também se encontram internados ali, o motorista - "o senhor Zé" - e a guia - "a Carlota", tendo assinalado que ela "é uma mulher de armas", e que ele "é muito resistente".

Marcelo quis também manifestar a "gratidão de todos os portugueses" pelo trabalho desenvolvido por quem prestou socorro às vítimas.

Pelo menos 29 pessoas morreram no acidente com um autocarro que transportava turistas alemães, no Caniço, concelho de Santa Cruz, na quarta-feira à tarde.

As vítimas mortais, 11 homens e 18 mulheres, são todas de nacionalidade alemã.

Questionado sobre as autópsias das vítimas mortais, o chefe de Estado informou que o "embaixador da Alemanha, que está a acompanhar isto aqui, cá fica ainda até amanhã [sábado], pelo menos", e "é o primeiro a testemunhar a preocupação, a competência e a eficiência com que esta matéria está a ser tratada".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.