França ganha sem explorar todo o seu potencial

A França, uma equipa que busca a sua identidade através de bons jogadores, mas que pratica um futebol medíocre, pôs fim na Rússia a um ciclo de futebol caracterizado pelo passe curto e muita posse de bola, representado por Espanha e Alemanha nos dois mundiais anteriores. É o corolário de um torneio que terminou com um jogo estranho, quase surreal.

Sem se aproximar da área e sem um remate à baliza croata, a França marcou dois golos na primeira parte. O autogolo de Mandzukic e o penálti de Perisic - mão na bola que mereceu a intervenção do VAR e que o árbitro Néstor Pitana julgou de maneira contrária à sua decisão num lance semelhante de Chicharito Hernández no México-Suécia - foram produto de qualquer coisa menos de bom futebol. Ganhou a França e todas as análises vieram em socorro do vencedor, como quase sempre acontece no futebol. No entanto, esta é uma equipa que está muito longe de alcançar o seu máximo. Sobra-lhe potencial; falta-lhe grandeza.

A Croácia jogou melhor e com mais destaque na primeira parte e na meia hora final do jogo. Perdeu porque insistiu em dar tiros no próprio pé - nos dois golos do primeiro tempo - e porque não conseguiu controlar Mbappé por breves momentos. Mbappé tem os rasgos dos jogadores que marcam o tempo. Sabe ganhar jogos e fá-lo de mil maneiras diferentes: é imparável em contra-ataque, remata bem de meia distância, move-se como uma enguia na área, dispõe de todo o tipo de recursos técnicos e é capaz de jogar com máxima precisão em velocidade máxima. Só é normal no jogo aéreo.

Mbappé é um dos dois jogadores com menos de 20 anos que marcaram um golo numa final do Campeonato do Mundo. O outro é um tal de Pelé. Não se pode falar de coincidência. É um jogador que coloca as defesas em pânico. Infelizmente, o plano miserável de Deschamps, um treinador sobrevalorizado que irá receber elogios universais depois da final, voltou a reduzir a influência de Mbappé e de Griezmann. O técnico francês, trabalhado como jogador no futebol italiano, defendeu um modelo estritamente defensivo que retirou poder de fogo e naturalidade à sua equipa.

Com enorme fadiga nas pernas depois de três eliminatórias decididas no prolongamento, a Croácia jogou melhor na primeira parte. Superou com alguma facilidade o muro defensivo francês e conseguiu algumas oportunidade na área de Lloris. Não cuidou dos detalhes, tão decisivos num jogo que nem sempre premeia o mérito. Acabou por afundar-se quando a ansiedade e a fadiga se juntaram. A equipa foi reorganizada para atacar o começo da segunda parte, uma péssima ideia quando pela frente está uma seleção com a da França, um conjunto de atletas que se deslocam a todo o vapor nos espaços vazios. Ninguém representa melhor este tipo de futebolistas do que Mbappé e Pogba. Os dois marcaram na final.

O 4-1 antecipava uma goleada histórica, mas nem com uma vantagem tão cómoda a França se libertou. Esteve a um pequeno passo de repetir o final de jogo angustiante por que passou frente à Argentina. O erro de Lloris no segundo golo da Croácia fez multiplicar as cautelas da equipa francesa, fechada no seu meio-campo durante meia hora, perante um adversário destroçado pelo cansaço mas liderado pelo fenomenal Modric, que sai do Campeonato do Mundo como um futebolista que marca uma era.

A vitória consagra o curioso ciclo francês. A cada 20anos - 1958, 1978, 1998, 2018 - aparece uma grande geração de jogadores. A França ganhou o Mundial, mas não deslumbrou. É uma equipa jovem, com um potencial enorme. Merece a grandeza e não ficar limitada a este perfil que Deschamps escolheu. Esse é um debate para o futuro. Hoje apenas sabemos que a França é a nova campeã mundial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)