Xi Jinping recebido nos Jerónimos entre gritos de apoio

O presidente chinês, Xi Jinping, foi recebido pelo homólogo português, Marcelo Rebelo de Sousa, numa cerimónia e desfile militar frente ao Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa. Ouviram-se gritos de apoio da comunidade chinesa em Portugal. É o início de uma visita de dois dias, com a qual pretende reforçar os laços entre os dois países.

Às 15.08, após a chegada de Marcelo, o hino português foi cantado em uníssono pelos membros dos três ramos das Forças Armadas, antes de o presidente se dirigir depois à tribuna para cumprimentar os convidados (como o chefe da diplomacia português e o embaixador de Portugal na China e o diplomata chinês em Lisboa) e esperar a chegada do homólogo chinês.

Às 15.20 chegava Xi com um ligeiro atraso em relação ao horário previsto e Marcelo recebeu-o e à primeira-dama, Peng Liyuan, à saída do carro, com um aperto de mão e um sinal para o céu azul.

Depois da foto oficial, o hino chinês e novamente o português com os dois presidentes frente aos militares, antes da revista às tropas.

Ao fundo ouviam-se os gritos de algumas centenas de membros da comunidade chinesa que, segundo os jornalistas chineses, davam as boas vindas a Xi.

Esta é a primeira visita de Estado de um presidente chinês desde outubro de 2010, quando Hu Jintao esteve em Portugal.

Flores no túmulo de Camões

Seguiu-se o desfile militar e a visita ao interior do mosteiro, para depositar flores no túmulo de Camões, que Xi Jinping citou no início do artigo que escreveu para o DN.

A visita à igreja e ao Mosteiro foi feita já sem Marcelo, com a diretora do Museu, Isabel Cruz Almeida, e o prior de Santa Maria de Belém. O presidente português seguiu para o Palácio de Belém para o encontro oficial, por uma rua onde eram visíveis algumas faixas de apoio a Xi e bandeiras enormes chinesas a tapar algumas bandeiras de apoio ao Tibete.

Com um perímetro de segurança alargado, os populares que quiseram assistir à cerimónia foram obrigados a ficar atrás das grades e da fonte do parque frente aos Jerónimos. Por cima, pairava um drone. No Mosteiro havia snipers.

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.