Um batalhão de jihadistas sai das prisões nos próximos dois anos

Meio milhar de militantes islâmicos deve sair dos estabelecimentos prisionais europeus durante os próximos dois anos. A este número juntam-se uns 1500 que foram radicalizados nas prisões francesas.

Os dados foram recolhidos pelas forças de segurança espanholas e revelados pelo El Mundo: "Mais de 500 reclusos islamistas vão sair das prisões europeias nos próximos dois anos (...) formando uma espécie de quinta coluna de consequências imprevisíveis."

"Vou dizer-lhe a verdade: quando estão no princípio da radicalização ainda é possível trabalhar com eles. Mas quando já são jihadistas é impossível reabilitá-los. Não há nada a fazer", disse ao jornal espanhol a francesa Amélie Boukhobza, especialista em psicopatologia intercultural.

Em França, o problema agrava-se porque também nos próximos 24 meses sairão cerca de 1500 reclusos, condenados por crimes diversos, e que foram radicalizados enquanto cumpriram pena.

Após o atentado no mercado de Natal de Estrasburgo, que causou cinco mortos, ficou a saber-se que o seu autor, que acabou por ser morto a tiro pela polícia, tinha cumprido pena de prisão por crimes diversos. Chérif Chekatt, de 29 anos, estava referenciado pelas autoridades desde 2016 como ficha S (ameaça à segurança nacional) dado o seu caráter violento e a radicalização islâmica de que foi alvo enquanto recluso.

Como Chekatt, havia em 2016, segundo o Le Monde, 12 mil pessoas em França anotados com a ficha S pelas suas ligações islamistas.

Em Espanha, as contas apontam para que dos 129 reclusos condenados por atividades relacionadas com o radicalismo islâmico, 73 saiam em liberdade nos próximos oito anos.

A este propósito, o think tank Real Instituto Elcano publicou um estudo sobre o caso espanhol. As conclusões apontam para a existência de um grau elevado de reincidência em atividades jihadistas dentro e fora das prisões dos indivíduos condenados por atividades terroristas. E que as prisões têm "servido de espaço para articulação de grupos jihadistas e inclusive para a idealização e planificação de atentados em solo espanhol".

Marroquino julgado em Portugal

Em Portugal, o fenómeno não tem a dimensão de outros países europeus. Há um cidadão marroquino que vai ser julgado pelos crimes de adesão a organização terrorista internacional, falsificação com vista ao terrorismo, recrutamento para o terrorismo, financiamento do terrorismo e quatro crimes de uso de documento falso com vista ao financiamento do terrorismo.

O caso de Abdesselam Tazi, preso desde março de 2017, foi notícia porque o juiz Ivo Rosa decidira julgá-lo apenas pelos crimes de contrafação de moeda e falsificação de documentos. Mas o recurso do Ministério Público foi acolhido pelo Tribunal da Relação, pelo que o julgamento que estava a decorrer foi anulado e vai recomeçar.

Um caso com contornos diversos é o de Abu Salem. O indiano era procurado pelas autoridades por suspeitas na participação dos atentados terroristas de 1993 em Bombaim. Em Lisboa foi detido em 2002 e condenado por uso de documentos falsos, falsificação de identificação e residência e coação. Em 2005 foi extraditado para a Índia, onde foi condenado a duas penas de prisão perpétua por terrorismo e a sete anos de prisão por extorsão.

O acordo de extradição prevê que a duração da pena não possa ser superior à máxima nas moldura penal portuguesa, ou seja, 25 anos de prisão, pelo que Abu Salem quer regressar a Portugal.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.