Trump obriga General Motors a fabricar ventiladores com lei da Guerra da Coreia

Presidente norte-americano invocou a Lei de Produção da Defesa, depois de ter assinado pacote para salvar a economia

O presidente dos EUA, Donald Trump, invocou a Lei de Produção de Defesa, uma regra que remonta à Guerra da Coreia (1950-53), para obrigar a gigante automóvel General Motors (GM) a fabricar ventiladores para os infetados com o novo coronavírus.

O comunicado presidencial foi conhecido na sexta-feira à tarde e surge depois de Trump ter dirigido palavras duras à General Motors. Através do Twitter, o presidente norte-americano acusou a empresa de não colaborar o suficiente para ajudar a produzir equipamento médico para fazer face à pandemia de covvid-19 - os Estados Unidos são o país do mundo com mais infetados (mais de 100 mil) e já registou mais de 1 700 vítimas mortais.

A requisição da General Motors surge depois de o congresso norte-americano ter aprovado um pacote de incentivos à, com uma dimensão inédita de 2,2 biliões (milhão de milhões) de dólares (1,98 biliões de euros. Pouco depois, a Câmara dos Representantes deu luz verde, praticamente por unanimidade, ao pacote de medidas, o que se traduz numa unidade e urgência nunca vista desde os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001.

"Isto vai disponibilizar ajuda urgente", disse Trump ao assinar o documento que prevê travar a queda abrupta da economia com a pandemia de covid-19.

Já no comunicado a anunciar a requisição da gigante automóvel, Trump afirma: "Acabei de assinar um memorando presidencial a autorizar o secretário de Saúde e Serviços Humanos a usar qualquer autoridade disponível nos termos da Lei de Produção de Defesa para exigir que a General Motors aceite, execute e priorize contratos federais de respiradores." O presidente dos EUA diz ainda que a luta contra o coronavírus é urgente e que a GM estava "a perder tempo".

No Twitter, Trump já tinha dado a entender que poderia tomar esta medida de emergência. "Como sempre, na General Motors, as coisas nunca parecem funcionar." Mais: "Disseram que nos dariam 40 000 dos respiradores tão necessários muito rapidamente. Agora, dizem que serão apenas 6 000 no final de abril e querem um preço alto". "É sempre muito mau com Mary B", acrescentou, numa referência à diretora executiva da GM, Mary Barra.

Continuou: "A General Motors deve abrir imediatamente a sua fábrica estupidamente abandonada de Lordstown, no Ohio, ou outra fábrica, e começar a fabricar respiradores agora!" O senador democrata de Ohio Sherrod Brown, lembrou, contudo, que a GM vendeu a fábrica de Lordstown a uma empresa de camiões elétricos, algo "que o presidente deveria saber se se importava com os trabalhadores".

A falta de respiradores, necessários para tratar as infeções pulmonares mais graves causadas pelo novo coronavírus, levou ao aumento de tensão entre Donald Trump e governadores dos estados mais afetados pela crise da saúde. O governador de Nova Iorque, Andrew Cuomo, disse que precisa de 30 000 ventiladores para responder à pandemia. Recorde-se que só este estado concentra metade dos casos confirmados no país e é considerado um dos epicentros globais da pandemia de covid-19.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG