Furacão Barry atinge o Louisiana e perde força

"Toda a costa de Louisiana está em causa nesta tempestade", alerta o governador do estado norte-americano do Louisiana.

O furacão Barry, que era de categoria 1 pouco antes de atingir o estado norte-americano do Lousiana, perdeu força e voltou a ser uma tempestade tropical depois de chegar a terra, 10 quilómetros a norte de Intracoastal City, segundo o Centro Nacional de Furacões dos EUA.

Foi acionado o estado de alerta por causa das inundações em áreas próximas à costa devido à subida do nível do mar, às fortes ondas e às chuvas intensas. Os ventos eram de 115 quilómetros por hora (é a partir dos 119 quilómetros hora que é furacão de categoria 1) e a chuva deverá prolongar-se pelo fim de semana, deslocando-se lentamente para dentro do território norte-americano.

"Apesar de o risco de submersão ligada à tempestade no rio Mississippi ter passado, o maior risco continuam a ser as fortes chuvas", disse a presidente da câmara de Nova Orleães, LaToya Cantrell.

A tempestade tropical formou-se no Golfo do México, a 150 quilómetros da foz do Mississípi, com ventos a atingir os 65 quilómetros por hora.

"Toda a costa de Luisiana está em causa nesta tempestade", alertou Bel Edwards, o governador do estado de Louisiana, que decretou o estado de emergência. Cerca de três mil soldados da Guarda Nacional, juntamente com outras equipas de resgate, foram destacadas para responder às situações de perigo relacionadas com o Barry, o primeiro furacão da época no Atlântico.

Nos últimos dias, a população tem estado a preparar-se para a chegada do furacão. "Ninguém deve levar esta tempestade de ânimo leve só porque deve pertencer à categoria 1. O perigo desta tempestade nunca foi o vento, foi sempre a chuva", indicou o governador do estado.

Os meteorologistas preveem que o furacão possa descarregar entre 25 a 50 centímetros de chuva até domingo, podendo chegar aos 63 centímetros em algumas zonas.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.