Rússia rejeita planos para "estrangular economicamente" a Coreia do Norte

Medidas implicariam "trágicas consequências humanitárias para a população" norte-coreana, afirmou Sergei Lavrov

A Rússia rejeita os planos de alguns países para "estrangular economicamente" o regime da Coreia do Norte, alertando para as eventuais graves consequências humanitárias que tais medidas possam ter, declarou esta quarta-feira o chefe da diplomacia russa.

"Não podemos apoiar as ideias que estão a planear alguns dos nossos parceiros e que procuram, de facto, estrangular economicamente a Coreia do Norte", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, no final de uma reunião em Moscovo com o seu homólogo da Bolívia, Fernando Huanacuni.

Lavrov explicou que sanções adicionais contra o regime de Pyongyang implicariam "trágicas consequências humanitárias para a população" norte-coreana.

Todas as resoluções do Conselho de Segurança da ONU sobre a Coreia do Norte contêm, segundo recordou o ministro russo, "medidas de pressão económica muito sérias", mas também um compromisso dos Estados-membros daquele órgão das Nações Unidas de apoiarem um regresso de "negociações políticas" para uma resolução do conflito.

Nas mesmas declarações, o ministro russo saudou a redução do tom da retórica de confronto em torno da questão norte-coreana, afirmando esperar que os ânimos fiquem mais calmos.

Perante o desenvolvimento do programa nuclear e balístico norte-coreano, o Conselho de Segurança da ONU adotou no início do mês de agosto, por unanimidade, uma resolução reforçando fortemente as sanções impostas à Coreia do Norte, que privará o regime de Pyongyang de mil milhões de dólares de receitas anuais.

No seguimento desta resolução, a China, principal parceiro e apoiante da economia do regime de Pyongyang, anunciou na segunda-feira a suspensão das importações de ferro, chumbo e dos minérios destes dois metais e de produtos do mar da Coreia do Norte.

A China foi em 2016 o destino de mais de 92% das exportações norte-coreanas.

As últimas semanas foram marcadas por uma escalada da retórica entre Pyongyang e Washington, mas os últimos dias trouxeram um desagravamento.

O chefe da diplomacia norte-americana disse na terça-feira que a administração do Presidente Donald Trump se mantém interessada num diálogo com o líder da Coreia do Norte, Kim Jung Un, mas que aguarda algum sinal de interesse por parte de Pyongyang.

"Continuamos interessados em tentar encontrar uma maneira de dialogar, mas isso depende dele", disse o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, numa referência ao líder norte-coreano.

Apesar de ter divulgado que tinha concluído os planos para lançar mísseis balísticos no território americano da ilha de Guam, no Pacífico, o líder norte-coreano anunciou ter decidido não colocar, por agora, o plano em prática, afirmando que quer "observar um pouco mais" as ações dos Estados Unidos antes de executar a ameaça.

Na segunda-feira, Rex Tillerson e o secretário da Defesa norte-americano, James Mattis, assinaram um artigo de opinião, publicado no jornal The Wall Street Journal, no qual garantiram que os Estados Unidos não pretendem uma mudança de regime na Coreia do Norte ou a aceleração da reunificação da Península Coreana, mas sim a desnuclearização daquela região.

No texto, Tillerson e Mattis indicaram que o objetivo da "campanha de pressão pacífica" dos Estados Unidos foi a desnuclearização da Península Coreana e não uma mudança de regime.

"Não temos qualquer desejo de infligir danos ao povo sofredor da Coreia do Norte, que é distinto do regime hostil em Pyongyang", escreveram os dois responsáveis.

Exclusivos