Putin quer restabelecer relações completas com EUA

O presidente russo disse esperar que esteja a ser criado um clima propício para haver condições para "resolver temas de interesse mútuo".

O presidente russo, Vladimir Putin, declarou esta terça-feira querer "restabelecer relações completas com os EUA", numa receção ao chefe da diplomacia norte-americana, Mike Pompeo.

Putin saudou o inquérito "objetivo" do procurador especial Robert Mueller, sem mencionar o facto de o relatório deste ter estabelecido a existência de uma ingerência russa na eleição presidencial dos EUA em 2016.

"Tenho a impressão de que o presidente (Donald Trump) pretende reconstruir as relações entre os Estados Unidos e a Rússia e os contactos para resolver os temas de interesse mútuo", disse.

Putin tirou esta conclusão da sua recente conversa telefónica com Trump, como disse no início da reunião com Pompeo. "Pela nossa parte, temos dito que também gostaríamos de reconstruir as relações e esperamos que agora se esteja a criar um clima propício para isso", acrescentou.

Putin disse ainda que "não encontrou rasto de uma conspiração" entre Trump e o Kremlin para permitir àquele ganhar as eleições à candidata Democrata Hillary Clinton. "Dissemos que eram absolutamente falsas" as acusações, realçou Putin, que destacou também que a investigação sobre a alegada ingerência russa nas eleições foi "uma das razões" que levaram ao congelamento das relações bilaterais.

"Espero que esta situação esteja a mudar agora", acrescentou Putin, que expressou o desejo de voltar a cooperar com os EUA em temas como a luta contra grupos criminosos, a erradicação da pobreza e às armas. Pompeo, por seu lado, garantiu a Putin que Trump "quer exatamente isso".

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.