Putin diz que não assustou Merkel com o seu cão de propósito

Há anos que se diz que Putin tentou intimidar Angela Merkel, que tem medo de cães, trazendo a sua cadela Koni para uma reunião

Vladimir Putin disse esta segunda-feira a um grupo de jornalistas alemães que nunca tentou, propositadamente, intimidar a chanceler alemã Angela Merkel com o seu cão. É a primeira vez que o presidente russo desmente oficialmente a história que já é falada desde 2007, quando os dois líderes se encontraram em Sochi.

Angela Merkel tem medo de cães, e Putin saberia disso quando optou por trazer a sua cadela Koni, uma labrador preta, para a reunião com a chanceler. Nalgumas das imagens do encontro, Merkel está visivelmente desconfortável. A história foi contada várias vezes desde então como uma jogada de poder por parte de Vladimir Putin.

O incidente foi reproduzido, por exemplo, num extenso perfil que a revista New Yorker fez da chanceler em 2014: "O medo de cães [de Merkel] não pode ter escapado a Putin, que estava recostado a desfrutar do momento, de pernas abertas". O presidente terá dito: "Estou certo de que ele se vai portar bem", ao que Merkel respondeu em russo: "Pois, não come jornalistas, apesar de tudo".

Esta segunda-feira, porém, Putin desmentiu que trazer o seu cão para a reunião em Sochi tenha sido uma opção propositada para assustar a chanceler. "Eu só lhe mostrei a minha cadela porque achei que ela ia gostar", afirmou, quando lhe perguntaram sobre o incidente, citado pelo jornal The Telegraph. "Mais tarde expliquei-lhe isso e pedi desculpa".

Exclusivos