Países da Europa adotam medidas extraordinárias para combater o Coronavírus

Encerramento de escolas, quarentenas, intervenção militar e requisição de camas hospitalares são algumas das medidas que os países europeus estão a preparar para tentar retardar a disseminação do novo coronavírus.x as medidas

Após a Organização Mundial de Saúde (OMS) ter declarado o surto de Covid-19 como uma emergência de saúde pública internacional e aumentado o risco para "muito elevado", é a vez dos países da Europa começarem a combater internamente o propagação do vírus.

O surto de Covid-19 foi detetado em dezembro, na China, e tem vindo a causar infeções respiratórias. Já causou cerca de 3.222 mortes e 94 344 infetados. O número de recuperados está nos 51 316.

Os países da Europa já começaram a adotar medidas de forma a protegerem os seus cidadãos e prevenirem uma maior propagação do vírus.

Portugal não faz restrições à estadia de crianças, jovens ou adultos provenientes de zonas de transmissão ativa, no entanto a DGS faz recomendações para que os cidadãos se mantenham seguros.

Na Europa, as medidas adotadas variam consoante os países e as necessidades aí verificadas.

ITÁLIA

O Governo anunciou que está a ponderar fechar todas as escolas e universidades até meio de março para evitar mais contágios da epidemia de coronavírus. A decisão final será tomada ainda hoje.

No país europeu mais afetado pela epidemia, 11 municípios do norte do país já estão em quarentena.

FRANÇA

A ministra da Defesa, Florence Parly, anunciou esta quarta-feira (4 de março) que o Exército está pronto para intervir, se necessário, para apoiar os serviços estatais face à epidemia de Covid-19. Os hospitais militares "estão prontos para receber doentes" e "já receberam alguns", disse.

ALEMANHA

"O próximo passo", se a epidemia piorar, será "concentrar todos os recursos nos doentes mais graves", o que incluirá adiar cirurgias que não sejam urgentes, disse na terça-feira o ministro da Saúde, Jens Spahn, sublinhando, no entanto, que a Alemanha ainda não está "nesse ponto".

Colocar cidades ou regiões inteiras em quarentena só será decidido como "último recurso", acrescentou o ministro do Interior, Horst Seehofer.

REINO UNIDO

O país poderá fechar escolas, incentivar o teletrabalho e "reduzir o número de eventos grandes" para adiar a epidemia.

Caso a situação se agrave, a polícia deve "concentrar-se nos crimes graves e na manutenção da ordem pública" e os hospitais terão de adiar intervenções não urgentes. O pessoal médico já reformado pode ser chamado de volta a exercer funções, anunciou o Governo.

POLÓNIA

O parlamento adotou na noite de segunda para terça-feira uma série de medidas excecionais para enfrentar a epidemia de coronavírus, que inclui limitar certos direitos e liberdades civis, impor taxas extraordinárias à administração pública, contornar o código das hierarquias públicas, intervir diretamente no mercado de medicamentos ou mesmo recorrer ao Exército. As medidas ainda não foram aprovadas pelo Presidente.

ESTÓNIA

A polícia e os guardas de fronteira estão disponíveis para fazer cumprir quarentenas, caso tenham de ser aplicadas aos cidadãos, disse o ministro do Interior, Mart Helme.

GRÉCIA

Um decreto prevê a possibilidade de proibir temporariamente viagens de e para países com muitos casos de coronavírus e a requisição de camas de hotéis e clínicas privadas.

O texto também prevê o encerramento temporário de "espaços cobertos onde se realizam eventos públicos", como escolas, locais de culto, cinemas, teatros, ginásios e empresas.

NORUEGA

Quase todas as cirurgias programadas nos hospitais, não relacionadas com o coronavírus, podem ser adiadas, especialmente em unidades de cuidados intensivos para doenças respiratórias.

PAÍSES BAIXOS

O ministro da Saúde recomendou um aumento do pessoal médico em funções e pediu que sejam encontrados locais alternativos fora dos hospitais para acomodar doentes com testes positivos para coronavírus.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG