Número de mortos provocados pelo furacão Laura sobe para seis

Pelo menos seis pessoas morreram nos Estados Unidos na sequência do furacão Laura, mas o governador do Louisiana diz que os danos causados não são tão catastróficos como se temia.

Pelo menos seis pessoas morreram na sequência da passagem do furacão Laura pelo Louisiana, nos Estados Unidos da América, e as equipas de busca podem encontrar mais vítimas, mas o governador local disse que a tempestade mais poderosa que se abateu sobre o estado dos EUA não causou os danos "catastróficos" que se temia.

"Temos muito a agradecer", disse o governador da Louisiana, John Bel Edwards. "Não sofremos os danos catastróficos absolutos que pensávamos serem prováveis, baseados na previsão que tínhamos", acrescentou Edwards.

"Mas sofremos uma quantidade enorme de danos", disse, e milhares de residentes do sul do estado tiveram as suas "vidas viradas de penas para o ar".

Segundo o 'site' NBC News, que cita fonte do Departamento de Saúde da Louisiana, três das seis mortes ocorreram em duas localidades costeiras, Acadia e Calcasieu.

Três pessoas morreram na zona oriental e setentrional daquele estado, com o Departamento de Saúde da Louisiana a atribuir quatro das mortes à queda de árvores.

Anteriormente, o governador do estado de Louisiana, John Bel Edwards, informara que havia pelo menos quatro mortos devido à queda de árvores nas suas habitações, na sequência do furacão Laura.

Outro homem morreu quando o barco em que seguia se afundou, durante a tempestade, informaram as autoridades.

"Estou preocupado porque, à medida que continuamos a sair e a fazer buscas e resgates primários e secundários, vamos encontrar mais vítimas mortais", disse Edwards.

O governador disse que houve cerca de 600.000 cortes de energia em todo o estado e os serviços de água também sofreram alguns danos. "Temos muito trabalho a fazer."

Edw

ards também disse que os moradores que moravam perto de uma fábrica de produtos químicos perto do Lago Charles, onde houve um incêndio com gás cloro, foram orientados para abrigos.

As vítimas mortais incluíam uma adolescente de 14 anos e um homem de 68 que morreram devido à queda de árvores nas suas casas, bem como um homem de 24 anos que morreu de envenenamento por monóxido de carbono causado por um gerador, na sua residência.

<p>O furacão Laura, de categoria 4 (numa escala de 5), perdeu intensidade quando chegou a terra e passou a ser classificado como tempestade tropical (categoria 2).

Às 04:00 em Portugal, o epicentro do Laura estava localizado a 50 quilómetros a nordeste de Little Rock, no estado do Arkansas, soprando com ventos máximos de 55 km por hora e movendo-se em direção ao nordeste, a 24 km por hora, de acordo com o Centro Nacional de Furacões norte-americano, citado pela agência de notícias espanhola Efe.

Apesar do seu enfraquecimento nas últimas 24 horas, o Centro Nacional de Furacões alertou que a ameaça de inundações continua, com avisos igualmente de tornados.

Segundo a AP, um tornado arrancou esta madrugada parte do telhado de uma igreja rural no nordeste do Arkansas, não provocando feridos.

As previsões apontam para que a tempestade tropical continue na sua trajetória atual nas próximas horas. Esta deverá passar hoje pelo vale central do Mississippi e chegar aos estados do meio Atlântico no sábado, dpara depois partir para o Oceano Atlântico no domingo.

Considerado um dos cinco piores furacões de sempre a atingir os Estados Unidos, o Laura, que chegou a atingir ventos de 240 quilómetros por hora, provocou pelo menos seis mortos na Louisiana e deixou um rasto de destruição, depois de fazer 21 mortos no Haiti e quatro na República Dominicana.

Perto de 900 mil pessoas ficaram sem energia nos estados do Louisiana e do Texas, segundo a AP.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG