Número de mortos do atentado de Estrasburgo sobe para quatro

Morreu esta sexta-feira uma quarta vítima, que não resistiu aos ferimentos graves na sequência do atentado no mercado de Natal de Estrasburgo

O balanço da tragédia de 11 de dezembro na cidade francesa tornou-se mais negro nesta sexta-feira, com a morte de uma quarta pessoa que tinha ficado gravemente ferida durante o ataque a tiro ao mercado de Natal, no centro de Estrasburgo.

Recorde-se que o autor do atentado, Chérif Chekkat, cidadão francês de 29 anos que se terá radicalizado durante o tempo passado na prisão por outros crimes, foi abatido pela polícia na quinta-feira no bairro de Nuedorf, nos arredores de Estrasburgo, depois de ter estado em fuga durante 48 horas.

Na terça-feira à noite, dia 11, pouco antes das 20.00, Chekkat entrou no centro histórico e no meio do mercado de Natal disparou sobre os transeuntes, provocando de imediato dois mortos. Uma terceira pessoa tinha morrido na quinta-feira, com o balanço a subir agora para quatro vítimas mortais (para lá do próprio atacante), depois de mais um dos feridos não ter resistido à gravidade dos ferimentos.

Além disso, uma quinta vítima continua em estado de morte cerebral. O atentado de terça-feira provocou mais onze feridos, dos quais quatro ainda estão hospitalizadas.

Segundo o procurador de Paris, Rémy Heitz, estão detidos "quatro membros da (...) família" do suspeito e três outras pessoas próximas. "A investigação vai continuar para identificar eventuais cúmplices ou coautores que o possam ter ajudado ou encorajado na realização do ato", adiantou Heitz.

O mercado de Natal no centro de Estrasburgo foi entretanto reaberto, na manhã desta sexta-feira e está prevista uma visita do presidente francês Emmanuel Macron ao local, ao fim da tarde, para uma cerimónia homenagem às vítimas do ataque de dia 11.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.