Mulheres do Bangladesh já não precisam de declarar se são virgens

O Supremo Tribunal do Bangladesh decidiu a favor dos grupos ativistas defensores dos direitos das mulheres, que consideram humilhantes os termos utilizados nos formulários matrimoniais.

Até agora, todas as mulheres residentes no Bangladesh tinham de assinalar, entre outras opções, se são "kumari" - que significa "solteira", mas também "virgem" -, nos formulários de registo de casamento. Contudo, este domingo, o Supremo Tribunal do país ordenou que a palavra fosse retirada dos documentos. De acordo com a BBC, o caso chegou às altas instâncias depois de vários grupos de defesa dos direitos das mulheres terem denunciado que se tratava de um termo humilhante.

A palavra foi agora substituída pelo termo "obibahita" (que significa "uma mulher solteira"), ao lado de das opções "viúva" e "divorciada". O caso foi apresentado já em 2014 pelos representantes legais dos grupos de ativistas. A alteração nos formulários matrimoniais deve acontecer nos próximos meses, assim que o tribunal publicar oficialmente o veredicto da audiência.

O tribunal declarou também que, à semelhança das mulheres, os noivos passem a anunciar o seu estado civil. Segundo um funcionário do sistema de registos, "muitas vezes" lhe já lhe "perguntaram por que razão é que os homens têm a liberdade para não revelar o seu estado e as mulheres não". "Sempre lhes disse que isso não estava nas minhas mãos", contou Mohammad Ali Akbar Sarker.

Um dos advogados envolvido no caso disse que se trata de "um veredicto marcante". Aynun Nahar Siddiqua espera mesmo que a decisão possa impulsionar a luta pelos direitos das mulheres no Bangladesh.

Neste país, as mulheres ainda casam muito cedo e têm uma série de direitos negados.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG