Moscovo: mais de 20 mil manifestantes exigem "eleições livres"

É a segunda manifestação de protesto por as autoridades russas terem considerado inválidas cerca de 30 candidaturas da oposição a Putin às eleições locais de setembro, alegando que havia problemas com as assinaturas entregues. Uma das candidatas está em greve de fome. Manifestantes anunciaram novos protestos caso candidaturas não sejam aceites.

Depois de, no domingo passado, dezenas de apoiantes do líder da oposição Alexei Navalny terem sido detidos durante um protesto pelo mesmo motivo, milhares voltaram às ruas de Moscovo para manifestar a sua indignação por cerca de 30 candidatos às eleições locais de 8 de setembro terem visto as suas candidaturas rejeitadas. Apesar de terem entregue as 5000 assinaturas necessárias, estas foram consideradas não conformes pelas autoridades.

Os manifestantes consideram que a alegação das autoridades não tem fundamento e preparam-se para manter os protestos até que os candidatos sejam aceites. "Vamos mostrar-lhes que este é um jogo perigoso. Lutaremos pelos nossos candidatos", disse à multidão Alexei Navalny, ele próprio impedido de concorrer às presidenciais em 2018. Anunciou que uma nova manifestação terá lugar na próxima semana, a não ser que as candidaturas sejam validadas.

Navalny, 43 anos, líder do Futuro da Rússia (antes Partido do Progresso), que foi já várias vezespreso, conseguiu este ano uma vitória com a condenação da Rússia pelo Tribunal Europeu dos Direitos Humanos por "ter querido restringir as suas atividades públicas" ao colocá-lo "injustamente em prisão domiciliária". Uma das candidatas do seu partido, a advogada de 31 anos do Conselho Anticorrupção Lyubov Sobol, entrou em greve de fome há mais de uma semana em protesto pela não validação da sua candidatura.

No Facebook, os organizadores da manifestação, que foi autorizada, disseram querer uma Rússia "sem bandidos, aldrabões, ladrões e corruptos". Estes protestos surgem numa altura em que as taxas de aprovação de Putin parecem estar em queda devido à degradação do nível de vida dos russos, à noção de que existe corrupção generalizada e por o governo ter aumentado a idade da reforma em 2018 (de 55 para 60 anos nas mulheres e de 60 para 65 nos homens). Nas eleições locais de setembro de 2018 vários candidatos da oposição derrotaram os do partido do governo, algo que nunca antes sucedera.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.