Universidades vão levar alunos a Auschwitz para combater antissemitismo

O projeto, financiado pelo governo, pretende combater o racismo presente nas universidades inglesas

Mais de 100 universidades de Inglaterra vão levar os líderes das associações de estudantes a visitar os campos de concentração construídos pelos nazis em Auschwitz-Birkenau, a cerca de 70 quilómetros de Cracóvia, na Polónia. As viagens, que devem custar cerca de 160 mil euros, serão financiadas por um projeto lançado pelo governo britânico.

O objetivo da visita de estudo é relembrar os alunos dos acontecimentos passados - mais especificamente do Holocausto, durante a Segunda Guerra Mundial, em que cerca de seis milhões de judeus foram assassinados -, para que estes não se voltem a repetir. O mote foi dado pela célebre frase do filósofo George Santayana escolhida para figurar no campo de concentração: "aqueles que não se lembram do passado estão condenados a repeti-lo".

Segundo o Telegraph , as viagens vão ser organizadas pela Holocaust Educational Trust, uma associação de solidariedade que pretende informar os britânicos sobre os factos do Holocausto e sua relevância.

O projeto permite que os alunos "vejam com os seus próprios olhos ao que o antissemitismo levou no passado", referiu Karen Pollock, da Holocaust Educational Trust, citada pelo Telegraph.

Os estudantes vão visitar os campos e participar em seminários que visam explicar como identificar o antissemitismo nas universidades, para depois transmitirem aos colegas as experiências.

Jo Johnson, o ministro britânico do ensino superior, já veio dizer que há níveis "inaceitáveis" de antissemitismo entre os universitários. Em fevereiro do ano passado, por exemplo, nas paredes de uma residência da Universidade de Exeter, foram desenhadas cruzes suásticas e colados autocolantes com as palavras "Direitos para os Brancos". Já em outubro de 2016, um protesto anti-Israel na University College em Londres obrigou a que se chamassem as autoridades e os estudantes judeus barricaram-se numa sala até que saíram em segurança acompanhados pela polícia.

"Nós temos o dever de falar em memória dos que foram mortos durante o Holocausto e dos que, hoje em dia, são alvo de ódio e antissemitismo", referiu o secretário das comunidades, Sajid Javid, citado pelo Telegraph.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.