Rússia pronta para discutir visita de Putin aos EUA

Embaixador russo nos EUA diz que país está aberto a conversar sobre o tema, mas lembra que cabe ao Kremlin responder formalmente ao convite da Casa Branca.

O embaixador russo nos EUA disse hoje que o seu país está pronto para discutir uma possível visita do presidente da Rússia, Vladimir Putin, a Washington, após uma proposta feita pelo chefe de Estado norte-americano, Donald Trump.

"Estamos prontos para conversações sobre este assunto", disse Anatoly Antonov, citado pela Interfax, indicando que a Rússia "esteve sempre aberta a tais propostas".

No entanto, o diplomata lembrou que cabe ao Kremlin responder formalmente ao convite. E este ainda não comentou a proposta feita por Trump.

O presidente dos EUA anunciou na quinta-feira a intenção de manter uma segunda reunião com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, após o "grande êxito" da cimeira que mantiveram esta semana em Helsínquia.

"A cimeira com a Rússia foi um grande êxito, exceto para o verdadeiro inimigo do povo, os Media de Notícias Falsas. Estou desejoso [de realizar] o nosso segundo encontro para que possamos começar a aplicar algumas das muitas coisas discutidas", referiu Trump numa mensagem no Twitter.

Antonov também disse que é importante "lidar com os resultados" da cimeira dos dois chefes de Estado, que decorreu esta semana em Helsínquia, antes de avançar rapidamente com outra reunião.

Trump surpreendeu na segunda-feira quando não confrontou publicamente Putin sobre a alegada interferência russa nas eleições de 2016. Nas respostas às perguntas dos jornalistas disse acreditar no presidente russo, reiterando que não houve qualquer conluio entre as campanhas e parecendo desacreditar os próprios serviços secretos norte-americanos.

Desde então, tem reiterado inúmeras vezes que "reconheceu a interferência russa muitas vezes".

Surpresa em Washington

Na quinta-feira, o diretor das Informações Nacionais (DNI, na sigla em Inglês) dos EUA, Dan Coats, recebeu com surpresa a notícia de que Putin tinha sido convidado para visitar a Casa Branca no outono.

Um moderador do fórum de segurança em que Coats participava, em Aspen, interrompeu a intervenção deste para lhe dar a novidade. "Repita isso", pediu Coats, pondo a mão junto da orelha, como que para facilitar a captação do som da resposta. Depois, respirou fundo e disse "Ok". A seguir, sorriu e afirmou: "Isto vai ser interessante".

Já os democratas defendem que não deve haver mais encontros entre os dois líderes. O teor da conversa privada entre Trump e Putin, que se reuniram apenas com os tradutores, não é conhecida.

"Até sabermos o que aconteceu nessa reunião de duas horas em Helsínquia, o presidente não devia ter mais interações a sós com Putin", disse o senador Chuck Schumer, no Twitter. "Nos EUA, na Rússia ou em qualquer outro local", indicou.

Já o senador republicano Dan Sullivan disse que não convidaria Putin a ir a Washington. "Se os russos querem uma relação melhor, viagens à Casa Branca não vão ajudar", afirmou. "Eles deviam parar de invadir os vizinhos. Deviam parar de interferir nas nossas eleições", indicou, citado pela AP.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.