Queda de meteorito sacode oeste de Cuba

Os maior fragmento encontrado até agora é de 11 centímetros e a sua queda causou um buraco no solo. Mas há quem fale em pedras de 20 e 30 cm

Primeiro viu-se um clarão rasgou o céu, depois sentiu-se uma forte explosão que sacudiu a província de Pinar del Río, no oeste Cuba. Eram 14 horas locais de sexta-feira, mais cinco em Lisboa, e apesar da espetacularidade do acontecimento, não há registo de feridos.

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Cuba confirmou que se tratou da queda de um meteorito na zona oeste da ilha, que se desintegrou em numerosos fragmentos dispersos e foi observado por sete estações meteorológicas em Pinar del Río, durante dez minutos.

Efrém Jaimez Salgado, do Instituto Nacional de Geofísica e Astronomia, disse à Rádio Guamá que se trata de "um meteorito tipo pétreo, que tem uma liga de ferro e níquel e também tem uma grande quantidade de silicato de magnésio. O maior fragmento encontrado até agora, adiantou, tem 11 centímetros.

"Em Viñales caíram várias partículas de pedras. A maior de que temos notícia é de entre 20 e 30 centímetros, na estrada que leva ao Mural da Pré-história, uma das atrações do destino turístico piñarenho, e deixou marcas do impacto", afirmou, por seu turno, Osmany Moseguí, vice-presidente do Conselho da Administração em Viñales.

Os fragmentos atingiram as cidades de Los Jazmines, Dos Hermanas, El Guajaní, perto da cidade turística de Viñales e El Palmarito, onde se encontrou o maior fragmento, com cerca de 11 centímetros de comprimento, que deixou uma pequena cratera no solo.

Os especialistas recolheram amostras que vão ser submetidas a testes químicos, para se perceber maior precisão este fenómeno que, apesar de ser incomum, não é a primeira vez que acontece na ilha.

Exclusivos