Putin ameaça lançar mísseis contra "centros de tomada de decisão" se EUA instalarem mísseis na Europa

O presidente russo advertiu hoje os Estados Unidos que, no caso da instalação de mísseis na Europa, Moscovo responderá "imediatamente" apontando o seu armamento não só às nações europeias, mas também aos "centros de tomada de decisão".

"A Rússia será obrigada a fabricar e instalar armas que podem ser usadas não só contra os territórios em que se origina a ameaça direta, mas também contra os territórios onde se encontram os centros de tomada de decisão para o emprego de sistemas de mísseis que nos ameaçam", disse.

Vladimir Putin fez essa afirmação em referência à recente saída unilateral dos Estados Unidos do Tratado de Forças Nucleares de Médio Alcance (INF, na sigla em inglês), durante o seu discurso sobre o estado da nação perante as câmaras alta e baixa do parlamento russo.

"Nós sabemos como fazer isso e vamos executar esses planos assim que a ameaça se tornar real", afirmou.

O líder russo ressaltou que as medidas serão tanto "simétricas como assimétricas", já que "alguns dos mísseis" que Washington poderia instalar na Europa "têm um tempo de voo de 10 a 12 minutos até Moscovo".

"Esta é uma ameaça muito grande para nós, o que agravaria drasticamente a situação no campo da segurança internacional", afirmou.

O presidente russo declarou que, em qualquer caso, Moscovo "não tem intenção, e isso é muito importante, de ser o primeiro a implantar tais mísseis na Europa".

Putin também acusou os Estados Unidos de usarem "acusações imaginárias" para motivar a sua saída do tratado nuclear INF, o que levou a Rússia a suspender a sua participação no acordo e a desenvolver novas armas.

"Os nossos parceiros americanos deveriam ter dito honestamente, em vez de usar acusações imaginárias contra a Rússia para motivar a sua saída unilateral do acordo", disse Putin.

O presidente russo anunciou na ocasião que a Rússia vai encomendar um novo míssil hipersónico para a sua marinha, como parte de um plano em andamento para modernizar as capacidades militares e esforços para combater o que descreveu como movimentos hostis dos EUA.

O novo míssil, que se denominará Zircon, voará a uma velocidade nove vezes superior à do som e terá um alcance de 1.000 quilómetros, acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.