"Portugal é um elo fraco da NATO e um alvo apetitoso para russos e chineses"

Especialista no estudo da contrainformação e subversão russas, o português Vítor Madeira explica como os serviços secretos russos agem como se a Guerra Fria nunca tivesse acabado

Vítor Madeira é um historiador que se especializou no estudo da contrainformação e subversão russa. Vive no Reino Unido, é senior fellow do Statecraft Institute e já foi ouvido pelo parlamento britânico, como perito, sobre as interferências do estado russo na democracia daquele país.

Como é que um português vai parar ao Reino Unido a investigar sobre a subversão russa?

Bom, começa-se do princípio, como se diz. Nasci em Portugal filho de imigrantes luso-canadianos, e era ainda miúdo, nos fins dos anos 80, quando fomos para Moçambique porque os meus pais aí foram colocados a trabalhar. Foi lá que tive pela primeira vez contacto com a realidade humana da "Guerra Fria" entre Leste e Ocidente. Em África foi bem "quente", como é sabido: ex-combatentes da Frelimo e Renamo mutilados em combate, esfomeados e a viver como sem-abrigo; o auto-isolamento forçado das pessoas de Leste para com os ocidentais, mesmo no prédio onde todos vivíamos; e os corpos espalhados pela rua depois da última emboscada.

Foi também em Moçambique que comecei a aperceber-me dos efeitos corrosivos da desinformação e subversão russa: o que muitas vezes aparecia nos "media" pouco ou nada tinha a ver com o nosso dia-a-dia.

Houve alguma situação concreta que se lembre?

Sim, claro. Os boatos e as mentiras sobre as supostas origens do vírus VIH num laboratório militar americano, que confundiram e aterrorizaram muitos moçambicanos. E isto numa altura em que o que o país mais precisava era de ajuda para tentar conter a epidemia da sida, que já infetava centenas de pessoas por mês. Muitas delas morreram abandonadas nas ruas, porque famílias e amigos tinham medo da "doença americana" por causa do que tinham ouvido e por isso nada queriam ter a ver com as vítimas.

Foi este o meu primeiro encontro com as "medidas ativas" russas, que só mais tarde vim a saber já serem prática comum dos serviços de segurança e informações deles há décadas e que até hoje continuam.

Três ou quatro anos depois de voltarmos a Portugal regressámos ao Canadá, e foi durante os meus estudos secundários e universitários, nos anos 90, que entendi melhor o contexto do que tinha visto em miúdo em África. E, por isso, o meu interesse sobre segurança e geopolítica aumentou.

Quais foram os seus estudos?

Tirei um bacharelato em Estudos Europeus e História em Toronto, seguido por um doutoramento em História Contemporânea em Cambridge no Reino Unido, onde fui bolsista e escolhido para trabalhar com o talvez mais conhecido académico ocidental a escrever sobre os serviços russos, Christopher Andrew. Durante o doutoramento, e depois de o acabar, em 2009, trabalhei como consultor de segurança, e em 2012 regressei ao Reino Unido para escrever um livro sobre a subversão e espionagem russa contra a Grã-Bretanha, que começou com a Revolução de Outubro [de 1917]. Pouco depois de o livro sair em 2014, entrei como Senior Fellow [Investigador Principal] no Institute for Statecraft em Londres, onde pesquiso a evolução da natureza das contra-informações estratégicas e da guerra político-psicológica. O diretor, Chris Donnely, é um bem conhecido ex-conselheiro especial sobre a Europa Central e de Leste de cinco Secretários Gerais da NATO.

Mais recentemente, em 2015-16, durante um ano de pesquisa no qual fui Investigador Visitante em Oxford e ensinei noutra universidade antes de regressar ao Instituto. Neste momento estou a pesquisar para o meu próximo livro: uma investigação dos meios utilizados no século XXI para subverter as democracias ocidentais.

A que conclusões já chegou nesse seu trabalho? Existe uma nova guerra-fria?

Depende a quem pergunta! O Ocidente geralmente pensa que a Guerra fria só começou depois da Segunda Guerra Mundial, mas para os serviços de segurança e informações russos o verdadeiro conflito entre eles e nós começou em 1917 e continua sem interrupção até hoje. É essencial lembrar que em 1999-2000, estes serviços deixaram de ser simples instrumentos dum Estado Russo mais ou menos democrático e tornaram-se no próprio Estado. E que a maioria do pequeno grupo que hoje controla o destino dum povo russo, que tanto tem sofrido, não são políticos, mas sim oficiais de segurança e informações que serviram um regime soviético cuja sobrevivência dependia da repressão de povos sob o seu domínio e a destabilização do Ocidente.

Mas a maior diferença entre ontem e hoje é o dinheiro e, portanto, o poder e a corrupção. O conflito hoje em dia não é entre sistemas económicos - capitalismo contra comunismo - mas sim um conflito de valores e princípios, digamos.

Regimes repressivos gostam de dizer que estão simplesmente a defender valores "conservadores" e "familiares" contra assaltos "liberais" e "decadentes". Mas o verdadeiro conflito hoje é entre a corrupção e a transparência, entre o progresso e a estagnação. Mais que tudo, estes regimes querem só manter-se no poder para continuar a saquear os seus países, geralmente escondendo ou branqueando esses vastos ganhos ilícitos nos sistemas financeiros, bancários e imobiliários ocidentais.

Foi ouvido pelo parlamento britânico a propósito da subversão russa e o seu possível impacto na defesa e segurança do Reino Unido. Três meses após o seu testemunho, teve lugar o referendo "Brexit" e sobre o qual abundam alegações de interferências russas. Existiram mesmo? Que provas há sobre isso?

Pessoalmente não tenho dúvidas que existiram, embora investigações parlamentares e pela Comissão Eleitoral, entre outras, estejam ainda aqui em curso em cooperação com colegas de vários países. As duas maiores áreas de investigação são a manipulação psicológica do eleitorado britânico através de tecnologias avançadas usando Facebook e Twitter, por exemplo, e as origens de certos financiamentos do campo "Brexit". Os "media" britânicos e norte-americanos têm revelado muitas ligações estranhas entre elementos ultraconservadores nos EUA e no Reino Unido, dispostos a favorecerem a Rússia e companhias como a Cambridge Analytica e AggregateIQ. Estas usavam tecnologias de ponta para fazer perfis psicológicos detalhados de utilizadores de redes sociais para campanhas eleitorais poderem manipulá-los mais facilmente. Outro aspeto desta manipulação foi a criação de centenas de contas falsas no Twitter por agentes russos, ou "trolls", para espalhar desinformação e criar divisões.

E só nos últimos dias veio-se a saber que em outubro-novembro de 2015 - sete meses antes do referendo - diplomatas e empresários russos fizeram propostas de negócios "não disponíveis a outros", com empréstimos de bancos estatais, envolvendo minas de ouro russas ao principal financiador da campanha "Brexit" (que acabou por não aceitar). Um desses "diplomatas" fez parte do grupo de 23 que o Reino Unido expulsou em março deste ano como resposta ao ataque com agente nervoso "novichok" a Sergei e Yulia Skripal dias antes em Salisbury. Estes 23 "diplomatas" eram na realidade oficiais de informações russos não declarados ao governo britânico.

O caso Skripal quis mandar várias mensagens, penso eu. Que o Reino Unido pós-"Brexit" estava enfraquecido e sozinho no mundo

Como enquadra o caso Skripal?

É um caso simplesmente sem paralelo. Pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial, armas de destruição maciça foram usadas na Europa em março de 2018. Pela primeira vez também, ex-espiões trocados oficialmente entre a Rússia e outros países foram depois alvos de tentativa de assassinato. E para agravar a situação, dois membros do público foram recentemente contaminados por um frasco de perfume que continha "novichok" e que tinha sido descartado pelos assassinos em Amesbury, uma vila perto de Salisbury, onde o primeiro ataque decorreu. Infelizmente, uma senhora morreu no hospital apesar de todos os esforços para a salvar.

Isto foi mais um exemplo do Estado Russo a tentar intimidar um Reino Unido que está muito distraído e, francamente, um pouco desunido devido ao referendo "Brexit" em 2016. O caso Skripal quis mandar várias mensagens, penso eu. Que o Reino Unido pós-"Brexit" estava enfraquecido e sozinho no mundo. Que mais um assassinato poderia acontecer em solo britânico e que o governo nada faria. Que qualquer pessoa que pense trair os serviços russos nunca estará a salvo.

E o que diz das eleições nos EUA e do ataque à candidatura de Hillary Clinton? Foram acusados 12 oficiais de informações russos...

Tenho acompanhado com muita atenção. Esta acusação foi um momento decisivo na investigação liderada pelo ex-diretor do FBI Robert Mueller. Tudo indica que a comunidade de segurança nacional norte-americana conseguiu penetrar o anonimato "online" dos 12 oficiais, mesmo dentro de unidades militares russas supostamente impenetráveis. Pela primeira vez temos detalhes públicos sobre identidades, táticas e métodos, fazendo uma ligação inegável entre a Rússia e os ataques em 2016 aos sistemas informáticos do Partido Democrata norte-americano. E pela primeira vez, também, temos uma ligação clara entre o GRU (serviços de informações militares russos) e a WikiLeaks, que procurou obter do GRU e mais tarde publicou documentos que pertenciam ao Partido Democrata.

Que interesse tem a Rússia em interferir neste género de atos eleitorais?

O Kremlin tem três objetivos estratégicos: o desmantelamento ou, pelo menos, a neutralização da NATO através da criação de divisões entre os EUA e a UE; a fragilização da Europa através da criação de divisões entre estados-membros para que deixe de ser um bom exemplo ao qual cidadãos russos e outros possam aspirar, e também para criar domínio energético russo sobre o continente europeu; e ainda criar a perceção nas mentes de cidadãos ocidentais de que a Rússia - e especialmente o seu modelo de governação, pleno de corrupção e violência - não nos ameaça. No que respeita a este último ponto, como o Kremlin sabe que não pode competir connosco em termos socioeconómicos ou de direitos e liberdades, a sua estratégia é de tentar corromper as nossas sociedades o mais possível - especialmente círculos políticos, oficiais e de negócios.

O Estado Russo não quer ser como nós, mas sim que sejamos cada vez mais como ele. A espionagem; o uso de agentes de influência; a disseminação de vasta desinformação na Internet, na rádio e na TV; o "hacking" de instituições ocidentais; a intimidação ou mesmo a agressão militar; a exportação da corrupção e do crime organizado; a distorção e manipulação de história, cultura, desporto e religião: estes são apenas alguns dos instrumentos que o Estado Russo continua a mobilizar diariamente contra as nossas democracias.

Por causa de atitudes nacionais brandas em relação à segurança e defesa, resultantes de história portuguesa, e agravadas mais pela crise económica pós-2006/7, tanto a Rússia como a China consideram Portugal um elo fraco

Como se situa Portugal nesse jogo de poder?

A influência russa em Portugal tem longa história, principalmente através de partidos de esquerda e associações de amizade/culturais luso-russas. Mais recentemente, políticos de outros partidos têm também demonstrado alguma simpatia pela narrativa russa - especialmente indivíduos com interesses comerciais que se opõem às sanções da UE após a invasão ilegal russa da Crimeia e do Donbas em 2014. E nos últimos anos, muita desinformação russa chega a Portugal através da RT e Sputnik Brasil. Por causa de atitudes nacionais brandas em relação à segurança e defesa, resultantes de história portuguesa, e agravadas mais pela crise económica pós-2006/7, tanto a Rússia como a China consideram Portugal um elo fraco na defesa de instituições ocidentais como a NATO, a UE e a OSCE. É, portanto, um alvo apetitoso, ponto de entrada.

Um aumento de corrupção e influência externa nociva devido aos "Vistos Gold"; ataques "ciber" contra várias instituições nacionais; campanhas agressivas de espionagem clássica ou económica e de subversão - estas ameaças não recebem tanta atenção como o terrorismo ou a pequena criminalidade, por exemplo, mas manifestam-se diária e silenciosamente.

Recentemente foi condenado no nosso país um espião dos serviços informações portugueses por ter sido um agente-duplo russo... Isso demonstra o que disse?

"Business as usual" para Moscovo, infelizmente, apesar de expulsões há vários anos de oficiais russos por interferência em assuntos internos portugueses. Há quem venha dizer que o que a Rússia mais deseja é relações cordiais e de respeito mútuo com todos os países, a realidade é bem diferente, como os casos portugueses mostraram. Onde estavam a cordialidade e o respeito durante todos aqueles anos em que o dito espião traiu segredos e colegas, colocando vidas em perigo? Esse caso abalou a NATO e representa a realidade de lidar com um estado que pensa estar acima da lei.

as grandes diferenças são os métodos utilizados e saber até que ponto um governo está disposto a ir para expandir esses interesses, e os valores e princípios que esse governo defende

Esta alegada "ofensiva" é só da Rússia? Os EUA ou outros estados Ocidentais não interferem também, ou tentam, na política de outros países?

Claro que todos os países têm interesses nacionais que tentam proteger e expandir - compreende-se, é perfeitamente natural. Mas as grandes diferenças são os métodos utilizados e saber até que ponto um governo está disposto a ir para expandir esses interesses, e os valores e princípios que esse governo defende.

Apesar de todas as suas imperfeições, o Estado de Direito nos EUA está a tentar chegar ao fundo do que de facto se passou em redor das eleições presidenciais de 2016, e deixará a lei decidir culpa e penas adequadas. Por imperfeito que seja, este é ainda um sistema de leis e de regras. A Rússia de hoje, infelizmente para o seu admirável povo, é quase completamente o oposto. Jornalistas são mortos se alguém poderoso desagradarem; os tribunais e os juízes não são totalmente independentes; a Duma [o parlamento russo] tem poucas semelhanças ao que deveria ser; os direitos humanos de várias minorias são violados; a corrupção afeta muitos aspetos do dia-a-dia; e eleições não são nem livres nem justas segundo observadores internacionais.

Como é que cada país se pode proteger e garantir que o seu Estado de Direito não tem interferências externas?

O maior desafio para políticos, altos funcionários e públicos ocidentais é o de compreenderem com quê e com quem eles estão a lidar verdadeiramente. Como disse Baudelaire, o maior truque do Diabo é de persuadir-nos que não existe. Gostemos ou não, estamos em guerra - mas é uma guerra pelas nossas mentes e portanto não uma que a maior parte da Europa ou da América do Norte reconheça.

Cada país tem características únicas, claro, mas acho que podemos identificar algumas defesas. Sensibilizar a população sobre cibersegurança, com campanhas de educação a todos os níveis sociais, comunidades étnicas e escalões etários como faz a Estónia, por exemplo. Sensibilizar a população sobre literacia mediática é também essencial, para ajudar a diferenciar entre o bom jornalismo e a desinformação.

Gostemos ou não, estamos em guerra - mas é uma guerra pelas nossas mentes e portanto não uma que a maior parte da Europa ou da América do Norte reconheça

A nível governamental, melhores e maiores investimentos nas forças de segurança interna - especialmente para reforçar capacidades contra o crime organizado e o crime financeiro. É necessário conjugar esta abordagem com maior investimento nos serviços de segurança e informações - especialmente nas áreas de contraespionagem, contrainformações e contrasubversão. Mas também melhores e maiores recursos para autoridades coordenadoras nacionais; em Portugal, especialmente o Centro Nacional de Cibersegurança e o Gabinete Nacional de Segurança. Tudo isto ajudaria a melhorar a coordenação e a perceção governamental de como as várias vertentes da ameaça "híbrida" se manifestam. Finalmente, criar centros de estudo nacionais para analisar e avaliar as ameaças "híbridas" no século XXI, para assim melhorar os níveis de conhecimento e capacidades de resposta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.