Policia realizou buscas à casa da ex-Presidente da Argentina Cristina Kirchner

O mandado de buscas é mais uma diligência no processo que investiga o escândalo dos "cadernos de corrupção", que revelou supostos subornos à administração Kirchner por empresas de construção e obras públicas

A polícia argentina realizou esta quinta-feira buscas à residência da ex-presidente Cristina Kirchner, no âmbito do processo de investigação a um alegado sistema de corrupção no período de 2007 a 2015, quando ocuppou a chefia do Estado, revelou a imprensa.

As buscas ao imóvel de Kirchner num bairro luxuoso de Buenos Aires, testemunhadas por uma dezena de jornalistas, foram ordenadas pelo juiz Claudio Bonadio e conduzidas por duas dezenas de polícias, que instalaram um cordão de segurança e bloquearam o acesso ao edifício.

O mandado de buscas é mais uma diligência no processo que investiga o escândalo dos "cadernos de corrupção", que revelou supostos subornos à administração Kirchner por empresas de construção e obras públicas.

Na noite de quarta-feira, o Senado suspendeu parcialmente a imunidade de Cristina Kirchner, agora senadora, autorizando as buscas.

Kirchner goza de imunidade parlamentar que a impede de ser presa ou revistada, mas não pode ser inquerida pelo juiz, indiciada ou julgada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.