Senado autoriza buscas nas casas de Kirchner por suspeita de corrupção

A própria ex-presidente cedeu, face à pressão das ruas, pedindo apenas que não haja "câmaras de televisão" para evitar que imagens possam ser divulgadas mais tarde "com intenção de humilhação e assédio".

O Senado argentino aprovou com 66 votos a favor e nenhum contra as buscas a casa da ex-presidente e senadora Cristina Kirchner, que o juiz Claudio Bonadio acusa de estar por detrás do esquema de corrupção que implicava a recolha de dinheiro de empresários que eram beneficiados com obras públicas durante a sua passagem pela Casa Rosada.

O escândalo dos "cadernos da corrupção", como é conhecido, rebentou depois de terem sido entregues ao juiz os cadernos onde Óscar Centeno, ex-motorista do número dois do Ministério do Planeamento, registou todas as malas de dinheiro que transportou, incluindo para a residência dos Kirchner, assim como as conversas que o seu patrão, Roberto Baratta, que era vice do ministro Julio de Vido.

Um esquema que funcionou não apenas durante os dois mandatos de Cristina (2007-2015), como antes, no mandato do seu já falecido marido, Néstor (2003-2007). Desde que o escândalo rebentou, vários empresários e ex-membros do governo já se declararam culpados de pagar ou receber subornos e estão a colaborar com a justiça em troca de penas mais reduzidas.

Por causa desses cadernos e porque Kirchner tem imunidade parlamentar, o juiz pediu autorização ao Senado para poder efetuar buscas nas casas da ex-presidente: um apartamento no luxuoso bairro de Recoleta, no centro de Buenos Aires, e duas mansões no sul do país, na região da Patagónia. O juiz já convocou a ex-presidente para testemunhas no caso, mas esta ficou em silêncio e respondeu por escrito.

Após um protesto na terça-feira à noite, durante o qual centenas de pessoas pediram ao Senado para tirar a imunidade à ex-presidente, a decisão de autorizar as buscas foi tomada por unanimidade.

A própria Kirchner disse que não vinha "inconvenientes" às buscas, reiterando que está a ser alvo de uma "perseguição judicial", que o juiz "não é imparcial", mas um "instrumento" do presidente Maurício Macri e que os "arrependidos" não estão a dizer a verdade.

Kirchner pediu contudo que essas buscas não sejam feitas "na presença de câmaras de televisão, para evitar a posterior difusão de imagens nos programas oficialistas [favoráveis ao governo] com clara intenção de humilhação e assédio". Pediu ainda que o juiz "não parta nada" nas suas casas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.