Os sete adversários de Vladimir Putin

O atual presidente recolhe cerca de 70% das intenções de voto. Mas há mais sete candidatos a estas presidenciais russas.

Pavel Grudinin, um candidato comunista

É o candidato do Partido Comunista da Federação Russa (PCFR), dirigido por Gennady Zyuganov, que pela primeira vez, desde 1996, não se apresenta a votos. Candidato até 2012, Zyuganov viu o universo eleitoral cair de 32% na primeira data para 17,2% nas últimas presidenciais. Grudinin, de 57 anos, que não é membro do PCFR e, sendo empresário, é conhecido como "o rei dos morangos" pelos interesses no ramo, integrou o partido de Putin antes de se aproximar do PCFR. Tinha 7% nas sondagens a 11 de março.

Vladimir Jirinovski, um radical nacionalista

Tinha 5% das intenções de voto na sondagem de 11 de março e apresenta-se pela sexta vez às presidenciais. Aos 71 anos, o dirigente do Partido Liberal Democrático da Rússia (PLDR, extrema-direita), terceira força política no país, pouco trouxe de novo à campanha, insistindo no habitual discurso extremista, fortemente xenófobo, antissemita e homofóbico. Defende a expansão das fronteiras da Federação Russa, o reforço das Forças Armadas e do papel do Estado, além de antagonizar os EUA e a Europa.

Xenia Sobtchak, oposição do "contra"

Apresentadora de televisão e radialista que se tornou jornalista política, afirma-se como uma figura do mundo da moda e do social. Apresenta-se como candidata da oposição e, principalmente, "do contra", sendo apoiada pelo Partido da Iniciativa Civil (PIC, liberal) e recolhe 2% das intenções de voto. A sua candidatura foi considerada como uma manobra de diversão do Kremlin, recordando-se que Xenia, de 36 anos, é filha de Anatoli Sobtchak, que lançou Vladimir Putin na política quando o primeiro era presidente da Câmara de São Petersburgo. Sobtchak defendeu políticas liberais para a Rússia.

Grigori Iavlinski, um liberal convicto

Foi um dos fundadores do Iabloko, partido de orientação liberal e pró-ocidental, que tem vindo a declinar em termos eleitorais: de 7,8% em 1993 passou para 1,9% em 2016. Iavlinski, de 65 anos, recolhe 1% das intenções de voto. Foi colaborador próximo de Mikhail Gorbachev e defendeu reformas radicais para que fosse possível ao regime pós--soviético funcionar como um sistema capitalista. Foi candidato nas presidenciais de 1996 e de 2000, terminando em terceiro e quarto lugares, respetivamente.

Serguei Babourine ou a prioridade ao nacionalismo

Votou contra a dissolução da União Soviética no Soviete Supremo, em 1991; foi adversário declarado do antigo presidente Boris Ieltsine e evoluiu, posteriormente, para posições nacionalistas radicais e pan-eslavistas. De 59 anos, tem formação jurídica e presidiu à Faculdade de Direito de Omsk. Recolhe 1% das intenções de voto. Foi membro do Partido Comunista da União Soviética entre 1981 e 1991, mas pelas suas posições políticas está próximo da extrema-direita europeia e de organizações que advogam a grande Sérvia. As autoridades tentaram impedir a apresentação da sua candidatura.

Boris Titov, um candidato pró-empresas

Foi membro do Rússia Unida, o partido de Vladimir Putin, antes de se afastar para um processo de cerca de uma década que se concluiu com a transformação do partido a que pertence, Causa Justa, em formação pró-empresarial e defensora da liberdade económica. É apoiado ainda por outros pequenos partidos. Tem 57 anos e preside à Comissão para os Direitos dos Empresários; recolhe nas sondagens pouco mais de 0% das intenções de voto. A sua notoriedade resulta do percurso feito no mundo dos negócios.

Maxim Suraikin, o outro candidato comunista

É candidato da organização Comunistas da Rússia e dirigiu o principal dos seus ataques a Pavel Grudinin, do PCFR, rotulando-o de "milionário" e oligarca (pessoas que fizeram fortuna na época de Ieltsine). Dirigiu também críticas a outras formações de esquerda. Ex-militante do PCFR, em que foi um dos dirigentes da ala juvenil, começa a distanciar-se deste partido no início do século XXI. É licenciado em Engenharia Ferroviária e tem-se candidato, desde 2014, ao cargo de governador de várias províncias da Federação Russa, mas sem sucesso. Tem 39 anos e 0% de intenções de voto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.