Obama: "A má notícia é que o meu sucessor no cargo não concorda comigo"

Barack Obama já apontou o dedo ao atual presidente dos EUA. Ex-presidente lamentou que Trump tenha revertido algumas medidas aplicadas pela sua administração

O ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama já está a discursar no Porto, num evento dedicado às alterações climáticas. Na conferência Climate Change Leadership Porto Summit 2018, que decorre no centro da cidade, o auditório é composto em exclusivo por convidados, que só puderam entrar com telemóveis. O 44.º presidente dos Estados Unidos não fará declarações à imprensa.

Barack Obama já apontou o dedo ao atual presidente americano, numa intervenção que está a ser acompanhada pelo JN. Falando do controlo das emissões de dióxino de carbono, Obama lamentou que Trump tenha revertido algumas medidas aplicadas pela sua administração. "A má notícia é que o meu sucessor no cargo não concorda comigo. E fez um esforço para retroceder algumas medidas. Só que estavam tão embrenhadas na economia dos EUA que todas as companhias perceberam que eram boas para o negócio."

O ex-presidente dos EUA deixou também o aviso de que "as alterações climáticas influenciam as migrações", lembrando o caso sírio e o empobrecimento rural resultante da diminuição da capacidade de produção da terra.

Em frente ao Coliseu, o passeio do outro lado da Rua Passos Manuel foi acolhendo desde o fim da manhã vários curiosos e pessoas atraídas pelas notícias da presença de Obama. O entusiasmo pela hipótese de ver de perto o antigo presidente norte-americano foi alimentando conversas e amizades de ocasião, mas com o passar do tempo foi sendo substituído pela desilusão, face às notícias de que Obama, afinal, entraria por uma outra porta, traseira, longe dos olhares da multidão.

O aglomerado perdeu gente, mas ainda há várias dezenas de populares (entre portuenses e turistas surpreendidos) à espera de um aceno de Obama no final da conferência.

À falta de Obama, foi Marques Mendes a ganhar o concurso de popularidade à entrada para o coliseu. O antigo líder do PSD e atual comentador foi bastante saudado e distribui até beijos. Assunção Cristas também foi notada, mas a líder do CDS provocou reações mais diversas.

25 perguntas

Barack Obama é um dos quatro conferencistas do Climate Change Leadership Porto, um debate sobre alterações climáticas organizado pelo setor vinícola em colaboração com várias instituições e empresas. A sua intervenção decorre desde as 15.00 e está prevista para durar uma hora, partilhando o palco do Coliseu do Porto com o anterior orador, Juan Verde, perito em economia verde. Obama vai responder a cerca de 25 perguntas previamente selecionadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.