Novichok: casal em estado crítico foi vítima do mesmo agente nervoso que Skripal

A Scotland Yard confirmou que Dawn Sturgess e Charlie Rowley foram expostos ao "novichok", o potente tóxico alegadamente produzido pela Rússia

As autoridades inglesas confirmaram que o casal de Wiltshire que está hospitalizado, em estado crítico, foi exposto ao mesmo agente nervoso que Sergei Skripal, um ex-espião russo, e a sua filha Yulia. Trata-se de um produto químico conhecido como "Novichok", alegadamente produzido pela Rússia, de acordo com o que tinha revelado na altura a primeira-ministra Theresa May.

Segundo a imprensa britânica, Dawn Sturgess e Charlie Rowley, encontrados inconscientes em casa, estão a ser tratados em isolamento sob guarda policial, no hospital distrital de Salisbury, onde também foram assistidos Skripal e Yulia. O casal estava no Queen Elizabeth Park, em Salisbury, na noite anterior à doença, a poucos metros do centro comercial onde o ex-espião russo e a filha foram encontrados num banco, inconscientes.

A polícia isolou uma série de locais visitados pelo casal antes de ficar doente, incluindo um parque, instalações para sem-abrigo em Salisbury, a casa de Rowley, uma farmácia e uma igreja batista.

Depois do caso Skripal, as autoridades tinham garantido em março que não havia risco para o público, mas depois foi feita descontaminação de alguns dos locais por onde os Skripal tinham passado. Nessa altura, um funcionário do departamento do Ambiente disse à comunicação social que o "novichok" tinha sido espalhado à porta de Serguei Skripal em forma líquida e disseminado por pessoas infetadas. Explicou que o agente nervoso se podia mover "por transferência direta através de uma pessoa ou de um objeto contaminado".

A Rússia tem recusado responsabilidade pela produção deste produto neurotóxico, apontando a Inglaterra e os EUA como os locais mais prováveis para este trabalho. Um dos inventores do Novichok vive atualmente dos Estados Unidos.

O caso Skripal deu origem a um duro conflito diplomático entre o ocidente e a Rússia.

O que é o Novichok?

A BBC fez um trabalho sobre estes agentes nervosos, tendo por base a informação de especialistas do laboratório de defesa e ciência de Porton Down, que identificaram o mesmo, e explica onde foram desenvolvidos e como podem afetar uma pessoa.

1) Desenvolvidos na União Soviética
O nome Novichok significa "recém-chegado" em russo e aplica-se a um grupo de agentes nervosos avançados desenvolvidos pela União Soviética nas décadas de 1970 e 1980. Eram conhecidos como armas químicas de quarta geração e foram desenvolvidos num um programa soviético com o nome "Foliant".

2) Mais tóxicos do que outros agentes
Um dos grupos de produtos químicos conhecidos como Novichok - A 230 - é supostamente 5 a 8 vezes mais tóxico do que o agente nervoso VX. "Este é um agente mais perigoso e sofisticado do que o sarin ou o VX e é mais difícil de identificar", disse o professor Gary Stephens, especialista em farmacologia da Universidade de Reading.

3) Existe em várias formas
Embora as principais variantes de Novichok sejam líquidas, há quem acredite que existem de forma sólida, sendo que também podem ser dispersos através de um pó ultra-fino.

4) Podem produzir efeitos muito rapidamente
Se uma pessoa ingerir um agente nervoso Novichok, ou mesmo que este toque apenas na pele, ela começa a produzir efeitos rapidamente. Os sintomas podem começar a mostrar em apenas 30 segundos a 2 minutos. Em forma de pó, contudo, o agente pode demorar mais a agir. Os sintomas podem não aparecer até 18 horas após a exposição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."