Novichok: casal em estado crítico foi vítima do mesmo agente nervoso que Skripal

A Scotland Yard confirmou que Dawn Sturgess e Charlie Rowley foram expostos ao "novichok", o potente tóxico alegadamente produzido pela Rússia

As autoridades inglesas confirmaram que o casal de Wiltshire que está hospitalizado, em estado crítico, foi exposto ao mesmo agente nervoso que Sergei Skripal, um ex-espião russo, e a sua filha Yulia. Trata-se de um produto químico conhecido como "Novichok", alegadamente produzido pela Rússia, de acordo com o que tinha revelado na altura a primeira-ministra Theresa May.

Segundo a imprensa britânica, Dawn Sturgess e Charlie Rowley, encontrados inconscientes em casa, estão a ser tratados em isolamento sob guarda policial, no hospital distrital de Salisbury, onde também foram assistidos Skripal e Yulia. O casal estava no Queen Elizabeth Park, em Salisbury, na noite anterior à doença, a poucos metros do centro comercial onde o ex-espião russo e a filha foram encontrados num banco, inconscientes.

A polícia isolou uma série de locais visitados pelo casal antes de ficar doente, incluindo um parque, instalações para sem-abrigo em Salisbury, a casa de Rowley, uma farmácia e uma igreja batista.

Depois do caso Skripal, as autoridades tinham garantido em março que não havia risco para o público, mas depois foi feita descontaminação de alguns dos locais por onde os Skripal tinham passado. Nessa altura, um funcionário do departamento do Ambiente disse à comunicação social que o "novichok" tinha sido espalhado à porta de Serguei Skripal em forma líquida e disseminado por pessoas infetadas. Explicou que o agente nervoso se podia mover "por transferência direta através de uma pessoa ou de um objeto contaminado".

A Rússia tem recusado responsabilidade pela produção deste produto neurotóxico, apontando a Inglaterra e os EUA como os locais mais prováveis para este trabalho. Um dos inventores do Novichok vive atualmente dos Estados Unidos.

O caso Skripal deu origem a um duro conflito diplomático entre o ocidente e a Rússia.

O que é o Novichok?

A BBC fez um trabalho sobre estes agentes nervosos, tendo por base a informação de especialistas do laboratório de defesa e ciência de Porton Down, que identificaram o mesmo, e explica onde foram desenvolvidos e como podem afetar uma pessoa.

1) Desenvolvidos na União Soviética
O nome Novichok significa "recém-chegado" em russo e aplica-se a um grupo de agentes nervosos avançados desenvolvidos pela União Soviética nas décadas de 1970 e 1980. Eram conhecidos como armas químicas de quarta geração e foram desenvolvidos num um programa soviético com o nome "Foliant".

2) Mais tóxicos do que outros agentes
Um dos grupos de produtos químicos conhecidos como Novichok - A 230 - é supostamente 5 a 8 vezes mais tóxico do que o agente nervoso VX. "Este é um agente mais perigoso e sofisticado do que o sarin ou o VX e é mais difícil de identificar", disse o professor Gary Stephens, especialista em farmacologia da Universidade de Reading.

3) Existe em várias formas
Embora as principais variantes de Novichok sejam líquidas, há quem acredite que existem de forma sólida, sendo que também podem ser dispersos através de um pó ultra-fino.

4) Podem produzir efeitos muito rapidamente
Se uma pessoa ingerir um agente nervoso Novichok, ou mesmo que este toque apenas na pele, ela começa a produzir efeitos rapidamente. Os sintomas podem começar a mostrar em apenas 30 segundos a 2 minutos. Em forma de pó, contudo, o agente pode demorar mais a agir. Os sintomas podem não aparecer até 18 horas após a exposição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.