Nem corpo de Alexandre nem maldição: desvendado o mistério de sarcófago negro

O enorme sarcófago de granito preto, com 30 toneladas e selado há mais de dois mil anos foi descoberto em Alexandria no início do mês.

O mistério era grande. Afinal, tratava-se da descoberta de um enorme sarcófago de granito preto, com 30 toneladas, selado há mais de dois mil anos. O túmulo foi encontrado no início do mês na cidade de Alexandria, no Egito, e as especulações não tardaram. Suspeitava-se de que poderia conter os tão procurados restos mortais de Alexandre, o Grande ou até uma maldição mortal.

O sarcófago "escondia", no entanto, três esqueletos envoltos em água suja, muito provavelmente de esgoto, e um cheiro nauseabundo. O túmulo continha uma fenda e estava situado nas proximidades de um esgoto. Infelizmente, a água acelerou o processo de decomposição dos restos mortais.

"Encontrámos os ossos de três pessoas. Infelizmente as múmias não estavam nas melhores condições, apenas restam os ossos", afirmou Mostafa Waziri, secretário-geral do Conselho Supremo de Antiguidades, citado pela BBC.

"Abrimos [o sarcófago] e, graças a Deus, o mundo não caiu nas trevas."

Acredita-se que os esqueletos agora descobertos pertencem a soldados. Um dos crânios revela, aliás, uma ferida, provavelmente provocada por uma flecha, de acordo com Shaaban Abdel Amonem, um especialista em mumificação que participou na abertura do sarcófago, avança o The Guardian .

O túmulo com quase três metros de comprimento e dois de altura foi encontrado num local de obras na cidade de Alexandria ao lado de uma cabeça de alabastro branca, semelhante a mármore.

Waziri aproveitou para descansar todos aqueles que acreditam que ao mexer num túmulo são amaldiçoados. "Abrimos [o sarcófago] e, graças a Deus, o mundo não caiu nas trevas. Fui o primeiro a colocar toda a minha cabeça dentro do sarcófago... e aqui estou eu diante de vocês... estou bem", assegurou.

O túmulo com quase três metros de comprimento e dois de altura foi encontrado num local de obras na cidade de Alexandria ao lado de uma cabeça de alabastro branca, semelhante a mármore, que se julga representar um dos esqueletos do sarcófago.

Os restos mortais encontrados vão agora ser analisados de forma a identificar a causa da morte e o período a que pertencem e posteriormente vão ser transferidos para o Museu Nacional de Alexandria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.