Mudou de género para se poder reformar cinco anos mais cedo

Sergio passou a ser Sergia aos 59 anos e agora que fez 60 pediu a reforma como mulher, antecipando em cinco anos

Foi Sergio Lazarovich durante 59 anos. Agora chama-se Sergia, após ter mudado de género, e como é mulher, e já fez 60 anos, efetuou o pedido de reforma e a Segurança Social aceitou iniciar o processo. Os colegas deste funcionário público argentino duvidam da genuinidade desta mudança e criticam Lazarovich por só querer antecipar em cinco anos a reforma. Na Argentina as mulheres podem reformar-se aos 60 anos enquanto os homens têm de esperar até aos 65.

A história vem contada no diário argentino Clarin, retomando uma polémica iniciada em março quando o homem foi acusado de ter mudado de género com segundas intenções. Na altura, Sergia Lazarovich falou ao jornal Tribuna de Salta e garantiu que não tinha pedido a reforma. "Mudei de género porque tenho uma convicção. As motivações são minhas e não tenho que explicar nada a ninguém", afirmou, criticando a comunicação social por falar na reforma. "Não fiz nenhum pedido", assegurava.

Quatro meses depois, a história acaba por ser confirmada. Laura Cartucci, diretora regional da Anses (Segurança Social da Argentina), confirmou que o pedido de reforma foi entregue e segue os trâmites normais. "Sim, Sergia Lazarovich já pediu a reforma na Anses. Temos que nos basear na Lei da Aposentadoria, que define a idade para homens e mulheres, com anos de contribuição. A senhora tem um BI que diz que é do sexo feminino", afirmou a responsável.

Na Argentina, este caso tem motivado uma discussão sobre a diferença de idades para a reforma e também sobre a mudança de género. Sergia Lazarovich rejeitou sempre a polémica e disse que não percebia a discussão, iniciada após ter sido efetuada uma queixa. Conta o Clarin que os colegas de trabalho são os mais críticos. Nas redes sociais têm mostrado indignação porque Lazarovich "nunca demonstrou uma atitude feminina" e estão convencidos de que "é um esquema", já que, apontam, ao longo da carreira sempre procurou "andar de licença em licença".

Em Portugal a idade de reforma é igual para homens e mulheres, estando fixada em 2018 em 66 anos e quatro meses. Para o ano a idade de reforma sobe mais um mês.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".