Mergulhadores australianos negociaram imunidade diplomática antes do salvamento

Os dois australianos que participaram no salvamento dos 12 rapazes na Tailândia vão ser homenageados no seu país

Os dois mergulhadores australianos que integraram a equipa de salvamento dos 12 rapazes da gruta de Tham Luang na Tailândia tinham imunidade diplomática.

A imunidade diplomática foi-lhes concedida após negociações entre os governos australiano e tailandês e antes do salvamento para que, no caso de algo correr mal na operação, os mergulhadores não pudessem ser acusados de qualquer crime.

"Sabíamos que havia riscos envolvidos nesta missão, então houve um entendimento entre o governo tailandês e o governo australiano", confirmou à Reuters o ministro dos Negócios Estrangeiros da Austrália, Don Premudwinai.

O anestesista Richard Harris e o veterinário Craig Challen, os dois mergulhadores australianos, vão receber honras civis, informou o primeiro-ministro da Austrália Malcolm Turnball. "Foi um dos mais extraordinários atos de heroísmo, profissionalismo, disciplina e trabalho de equipa", disse Turnball.

Ainda não se sabe qual será o grau honorífico que lhes será atribuído, mas quase 45 mil pessoas assinaram uma petição online pedindo que fosse a Cross of Valour, a mais prestigiada distinção de bravura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".