O médico australiano que é o trunfo para o sucesso do resgate na Tailândia

É um anestesista, que há mais de 30 anos pratica mergulho. Foi chamado para ajudar a salvar os 12 jovens e o treinador presos na gruta

Richard Harris é o médico australiano que está a ser o grande trunfo para o sucesso do resgate dos 12 rapazes tailandeses e do treinador de futebol que estão presos numa caverna em Chiang Rai, Tailândia, desde o dia 23 de junho, informa o The Sydney Morning Herald.

O profissional é um anestesista de Adelaide que foi requisitado especificamente pelos especialistas internacionais em mergulho presentes nesta difícil missão.

Foi ele que, no sábado, levou a cabo o perigoso mergulho até aos jovens e ao treinador, que possibilitou o início das operações no domingo. Richard Harris deu o aval ao estado de saúde e psíquico dos rapazes, cujas idades variam entre os 11 e os 16 anos. Quatro crianças já foram retiradas com sucesso, continuando hoje as buscas.

Segundo o The Adelaide Advertiser, o bom médico estaria de férias quando foi contactado para participar nas operações de resgate e não disse que não.

Retirou o corpo de uma amiga de uma gruta

Harris trabalhou seis anos para a MedStar, um serviço de apoio médico, e já esteve envolvido em operações de resgate.

O jornal de Adelaide recorda o episódio em que o médico ajudou a retirar o corpo da amiga Agnes Milowka, 29 anos, arqueóloga marinha, sem vida de uma gruta.

Na altura, em 2011, o anestesista disse que Milowka não conseguiu sair da caverna em Millicent, na Austrália, onde morreu.

"Ela não conseguia ver nada e não conseguiu descobrir o caminho para sair da caverna acabando por ficar sem ar", disse ao Adelaide Advertiser.

De acordo com o site OzTek, o médico também é fotógrafo subaquático, tendo abraçado a tecnologia rebreather para explorar e fotografar cavernas na Austrália e no exterior.

"Harry tem um interesse ativo em segurança de mergulho e investigação de acidentes, especialmente em cavernas e mergulho técnico", lê-se no site. "Ele desempenha um papel fundamental no desenvolvimento de uma capacidade de resgate de cavernas e esgotos na Austrália".

Segundo o The Sydney Morning Herald , o médico faz mergulho há mais de 30 anos em grutas na Austrália e no exterior, fotografando as cavernas e cartografando perigos, a fim de ajudar a evitar acidentes como este. Esteve envolvido em explorações de mergulho na China, na Ilha do Natal, na Nova Zelândia e na própria Austrália.

O seu interesse pelo mergulho, pela fotografia e até pelo vídeo levou-o a ter imagens e artigos publicados internacionalmente em publicações de mergulho. Também participou em vários documentários, num filme e em duas expedições da National Geographic.

O resgate tailandês

No fim de semana, a água na caverna baixou e, o facto de estar prevista chuva, forçou o governo tailandês a iniciar o resgate.

Na manhã de domingo, o governador Narongsak Osottanakorn informou a entrada de 13 mergulhadores internacionais e de cinco SEALs da Marinha Tailandesa na gruta.

"As condições que os mergulhadores de caverna e equipas de resgate enfrentam na Tailândia são extremas, com visibilidade zero, fluxo excecionalmente forte e uma série de restrições e reservas para negociar", disse o diretor nacional da Associação de Mergulhadores da Caverna da Austrália num comunicado citado pelo The Sydney Morning Herald.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.