O médico australiano que é o trunfo para o sucesso do resgate na Tailândia

É um anestesista, que há mais de 30 anos pratica mergulho. Foi chamado para ajudar a salvar os 12 jovens e o treinador presos na gruta

Richard Harris é o médico australiano que está a ser o grande trunfo para o sucesso do resgate dos 12 rapazes tailandeses e do treinador de futebol que estão presos numa caverna em Chiang Rai, Tailândia, desde o dia 23 de junho, informa o The Sydney Morning Herald.

O profissional é um anestesista de Adelaide que foi requisitado especificamente pelos especialistas internacionais em mergulho presentes nesta difícil missão.

Foi ele que, no sábado, levou a cabo o perigoso mergulho até aos jovens e ao treinador, que possibilitou o início das operações no domingo. Richard Harris deu o aval ao estado de saúde e psíquico dos rapazes, cujas idades variam entre os 11 e os 16 anos. Quatro crianças já foram retiradas com sucesso, continuando hoje as buscas.

Segundo o The Adelaide Advertiser, o bom médico estaria de férias quando foi contactado para participar nas operações de resgate e não disse que não.

Retirou o corpo de uma amiga de uma gruta

Harris trabalhou seis anos para a MedStar, um serviço de apoio médico, e já esteve envolvido em operações de resgate.

O jornal de Adelaide recorda o episódio em que o médico ajudou a retirar o corpo da amiga Agnes Milowka, 29 anos, arqueóloga marinha, sem vida de uma gruta.

Na altura, em 2011, o anestesista disse que Milowka não conseguiu sair da caverna em Millicent, na Austrália, onde morreu.

"Ela não conseguia ver nada e não conseguiu descobrir o caminho para sair da caverna acabando por ficar sem ar", disse ao Adelaide Advertiser.

De acordo com o site OzTek, o médico também é fotógrafo subaquático, tendo abraçado a tecnologia rebreather para explorar e fotografar cavernas na Austrália e no exterior.

"Harry tem um interesse ativo em segurança de mergulho e investigação de acidentes, especialmente em cavernas e mergulho técnico", lê-se no site. "Ele desempenha um papel fundamental no desenvolvimento de uma capacidade de resgate de cavernas e esgotos na Austrália".

Segundo o The Sydney Morning Herald , o médico faz mergulho há mais de 30 anos em grutas na Austrália e no exterior, fotografando as cavernas e cartografando perigos, a fim de ajudar a evitar acidentes como este. Esteve envolvido em explorações de mergulho na China, na Ilha do Natal, na Nova Zelândia e na própria Austrália.

O seu interesse pelo mergulho, pela fotografia e até pelo vídeo levou-o a ter imagens e artigos publicados internacionalmente em publicações de mergulho. Também participou em vários documentários, num filme e em duas expedições da National Geographic.

O resgate tailandês

No fim de semana, a água na caverna baixou e, o facto de estar prevista chuva, forçou o governo tailandês a iniciar o resgate.

Na manhã de domingo, o governador Narongsak Osottanakorn informou a entrada de 13 mergulhadores internacionais e de cinco SEALs da Marinha Tailandesa na gruta.

"As condições que os mergulhadores de caverna e equipas de resgate enfrentam na Tailândia são extremas, com visibilidade zero, fluxo excecionalmente forte e uma série de restrições e reservas para negociar", disse o diretor nacional da Associação de Mergulhadores da Caverna da Austrália num comunicado citado pelo The Sydney Morning Herald.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.