O médico australiano que é o trunfo para o sucesso do resgate na Tailândia

É um anestesista, que há mais de 30 anos pratica mergulho. Foi chamado para ajudar a salvar os 12 jovens e o treinador presos na gruta

Richard Harris é o médico australiano que está a ser o grande trunfo para o sucesso do resgate dos 12 rapazes tailandeses e do treinador de futebol que estão presos numa caverna em Chiang Rai, Tailândia, desde o dia 23 de junho, informa o The Sydney Morning Herald.

O profissional é um anestesista de Adelaide que foi requisitado especificamente pelos especialistas internacionais em mergulho presentes nesta difícil missão.

Foi ele que, no sábado, levou a cabo o perigoso mergulho até aos jovens e ao treinador, que possibilitou o início das operações no domingo. Richard Harris deu o aval ao estado de saúde e psíquico dos rapazes, cujas idades variam entre os 11 e os 16 anos. Quatro crianças já foram retiradas com sucesso, continuando hoje as buscas.

Segundo o The Adelaide Advertiser, o bom médico estaria de férias quando foi contactado para participar nas operações de resgate e não disse que não.

Retirou o corpo de uma amiga de uma gruta

Harris trabalhou seis anos para a MedStar, um serviço de apoio médico, e já esteve envolvido em operações de resgate.

O jornal de Adelaide recorda o episódio em que o médico ajudou a retirar o corpo da amiga Agnes Milowka, 29 anos, arqueóloga marinha, sem vida de uma gruta.

Na altura, em 2011, o anestesista disse que Milowka não conseguiu sair da caverna em Millicent, na Austrália, onde morreu.

"Ela não conseguia ver nada e não conseguiu descobrir o caminho para sair da caverna acabando por ficar sem ar", disse ao Adelaide Advertiser.

De acordo com o site OzTek, o médico também é fotógrafo subaquático, tendo abraçado a tecnologia rebreather para explorar e fotografar cavernas na Austrália e no exterior.

"Harry tem um interesse ativo em segurança de mergulho e investigação de acidentes, especialmente em cavernas e mergulho técnico", lê-se no site. "Ele desempenha um papel fundamental no desenvolvimento de uma capacidade de resgate de cavernas e esgotos na Austrália".

Segundo o The Sydney Morning Herald , o médico faz mergulho há mais de 30 anos em grutas na Austrália e no exterior, fotografando as cavernas e cartografando perigos, a fim de ajudar a evitar acidentes como este. Esteve envolvido em explorações de mergulho na China, na Ilha do Natal, na Nova Zelândia e na própria Austrália.

O seu interesse pelo mergulho, pela fotografia e até pelo vídeo levou-o a ter imagens e artigos publicados internacionalmente em publicações de mergulho. Também participou em vários documentários, num filme e em duas expedições da National Geographic.

O resgate tailandês

No fim de semana, a água na caverna baixou e, o facto de estar prevista chuva, forçou o governo tailandês a iniciar o resgate.

Na manhã de domingo, o governador Narongsak Osottanakorn informou a entrada de 13 mergulhadores internacionais e de cinco SEALs da Marinha Tailandesa na gruta.

"As condições que os mergulhadores de caverna e equipas de resgate enfrentam na Tailândia são extremas, com visibilidade zero, fluxo excecionalmente forte e uma série de restrições e reservas para negociar", disse o diretor nacional da Associação de Mergulhadores da Caverna da Austrália num comunicado citado pelo The Sydney Morning Herald.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?