Marinha tailandesa divulga vídeo gravado na gruta Tham Luang

Foram responsáveis pelo sucesso da operação e partilham agora um vídeo dos meninos antes do resgate

A unidade de operações especiais da Armada tailandesa é a equivalente do Destacamento de Ações Especiais da Marinha portuguesa. Foi responsável pelo sucesso do resgate dos 12 jovens e do treinador de futebol, da gruta Tham Luang, na Tailândia, onde ficaram presos depois de a caverna ter ficado inundada.

Foram 17 dias de suspense e de drama que terminaram esta terça-feira com o salvamento de todos os sãos e salvos. Agora, a marinha tailandesa partilhou imagens da operação na gruta na página oficial de Facebook.

Recorde-se que os 12 rapazes, entre os 11 e os 16 anos, e o treinador, de 25, foram explorar a gruta depois de um jogo de futebol no dia 23 de junho. Na altura, as inundações resultantes das monções bloquearam-lhes a saída e impediram que as equipas de resgate os encontrassem durante nove dias, uma vez que o acesso ao local só era possível via mergulho através de túneis escuros e estreitos, cheios de água turva e correntes fortes.

Os jovens ficaram presos a cerca de quatro quilómetros da entrada da gruta, num complexo de túneis com zonas muito estreitas e alagadas pelas chuvas da monção que afetaram a zona, o que obrigou a que parte do percurso tivesse que ser feito debaixo de água e sem visibilidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.