Autora do impeachment a Dilma e filho de Bolsonaro são deputados mais votados de sempre

Janaína Paschoal, candidata do PSL, partido de Jair Bolsonaro, obteve mais de dois milhões de votos e bateu recordes ao ser eleita para a Assembleia Legislativa de São Paulo. Eduardo Bolsonaro ultrapassou o recorde de Enéas Carneiro na eleição para deputado federal

Advogada e professora, Janaína Paschoal tem 44 anos e é a deputada mais votada na história do Brasil. A candidata do Partido Social Liberal (PSL), de Jair Bolsonaro - que vai disputar a segunda volta a 28 de outubro com Fernando Haddad, do PT -, foi eleita para a Assembleia Legislativa de São Paulo com mais de 2 milhões de votos e ultrapassou o recorde histórico para todos os cargos de deputado.

Janaína Paschoal, uma das autoras do pedido de impeachment de Dilma Rousseff, teve 2.031.829 votos (com 98,25% das urnas apuradas), seis vezes mais do que Fernando Capez, do PSDB, reeleito em 2014 com 306.268 votos e que detinha o recorde de deputado estadual mais votado.

Nas redes sociais, a advogada agradeceu a "votação expressiva", que, afirma, lhe confere "mais legitimidade para trabalhar". "Agradeço a cada cidadão que confiou em mim. Deus há de me ajudar a fazer tudo o que tenho em mente e mais um pouco", prometeu no Twitter.

Mas o feito de Janaína não se fica por aqui. A advogada conseguiu ainda superar o recorde de votos obtido pelo candidato a deputado federal a São Paulo, Eduardo Bolsonaro. O filho do candidato do PSL à presidência também foi um dos vencedores da noite de domingo, 7 de outubro, ao conquistar 1.814.443 votos (com 98,25% das urnas apuradas) e ultrapassou o recorde de Enéas Carneiro (Prona), que obteve 1.573.642 votos na eleição para deputado federal em 2002, em São Paulo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.