Autora do impeachment a Dilma e filho de Bolsonaro são deputados mais votados de sempre

Janaína Paschoal, candidata do PSL, partido de Jair Bolsonaro, obteve mais de dois milhões de votos e bateu recordes ao ser eleita para a Assembleia Legislativa de São Paulo. Eduardo Bolsonaro ultrapassou o recorde de Enéas Carneiro na eleição para deputado federal

Advogada e professora, Janaína Paschoal tem 44 anos e é a deputada mais votada na história do Brasil. A candidata do Partido Social Liberal (PSL), de Jair Bolsonaro - que vai disputar a segunda volta a 28 de outubro com Fernando Haddad, do PT -, foi eleita para a Assembleia Legislativa de São Paulo com mais de 2 milhões de votos e ultrapassou o recorde histórico para todos os cargos de deputado.

Janaína Paschoal, uma das autoras do pedido de impeachment de Dilma Rousseff, teve 2.031.829 votos (com 98,25% das urnas apuradas), seis vezes mais do que Fernando Capez, do PSDB, reeleito em 2014 com 306.268 votos e que detinha o recorde de deputado estadual mais votado.

Nas redes sociais, a advogada agradeceu a "votação expressiva", que, afirma, lhe confere "mais legitimidade para trabalhar". "Agradeço a cada cidadão que confiou em mim. Deus há de me ajudar a fazer tudo o que tenho em mente e mais um pouco", prometeu no Twitter.

Mas o feito de Janaína não se fica por aqui. A advogada conseguiu ainda superar o recorde de votos obtido pelo candidato a deputado federal a São Paulo, Eduardo Bolsonaro. O filho do candidato do PSL à presidência também foi um dos vencedores da noite de domingo, 7 de outubro, ao conquistar 1.814.443 votos (com 98,25% das urnas apuradas) e ultrapassou o recorde de Enéas Carneiro (Prona), que obteve 1.573.642 votos na eleição para deputado federal em 2002, em São Paulo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?