Bolsonaro em versão paz e amor e Haddad contra o velho PT na segunda volta

O capitão do exército e o ex-prefeito de São Paulo confirmam apuramento para a eleição de dia 28 onde o principal desafio de ambos será combater a enorme rejeição que geram no eleitorado

Jair Bolsonaro namorou a vitória nas eleições presidenciais do Brasil logo à primeira volta mas ao obter mais de 46% dos votos válidos terá enfrentar ainda mais três semanas de campanha e uma eleição contra Fernando Haddad, que somou 29%. Confirma-se um duelo entre dois candidatos de altíssima rejeição que terão de matar os fantasmas que os perseguem para lutar pelo Palácio do Planalto. O país entra agora numa luta ente polos muito definidos que levou até, com algum humor, à criação de kits emigração, para quem não gosta nem de um nem de outro, e à hashtag #ficatemer, apesar de o ainda presidente da República ser reprovado por quase 90% dos brasileiros.

Para Bolsonaro, "é tempo de dar um passo para o centro e para a direita, não à esquerda". "Não queremos uma Venezuela, não queremos voltar aos 13 anos da mais profunda crise ética, política e económica, queremos unir os casos do governo PT, que jogou os negros contra os brancos, os homossexuais contra os hetero, os nordestinos contra o sul".

Haddad falou em unir o país democrático. "Queremos unir os democratas, os que se preocupam com os pobres, a soberania nacional e a soberania popular". Para o segundo classificado na primeira volta "há muito em jogo em 2018, como nunca houve de 1989 para cá, na segunda volta a nossa arma será o argumento, não termos mais armas, nem termos medo de ser felizes".

O capitão do exército do PSL surgirá nas três semanas de campanha que restam em versão "paz e amor", uma estratégia, aliás, que já vem executando desde a facada ano abdómen sofrida dia 6 de setembro em evento em Juiz de Fora. Refém das declarações radicais proferidas ao longo de décadas na sua condição de deputado de baixo clero, contra as minorias e a favor da tortura, por exemplo - Bolsonaro disse na semana passada em entrevista à TV Record (que quer transformar na sua Fox News) que não era "tão mau assim...".

Em paralelo, vem piscando o olho ao eleitorado nordestino, que no passado também já esteve debaixo da sua mira, para tentar colocar uma lança na maior fortaleza eleitoral do PT. E até aos homossexuais, às mulheres e a outros territórios onde se sente minoritário porque quer conquistar o centro.

O caso de Haddad, do PT, é diferente: vai mudar radicalmente a sua relação com o partido. Com o salvo-conduto ganho ontem, romperá com o velho PT que, para não assustar o seu eleitorado mais fiel, foi poupando na campanha de primeira volta.

Conhecido por ser da ala moderada do partido e por apontar sempre que pode os pecados dos governos do PT, deve erradicar do seu círculo íntimo os barões mais conservadores e fazer-se rodear de técnicos e de jovens. A exceção, claro, é Lula da Silva, que da sua cela de Curitiba continuará a ser o seu mentor e conselheiro. Ao mesmo tempo, lutará para atrair os votos de Ciro Gomes (PDT) e até de Marina Silva (Rede) e de parte dos de Geraldo Alckmin (PSDB) para enfrentar a enorme vantagem do rival.

Na segunda volta, portanto, é provável que ouçamos o improvável: Bolsonaro a defender as minorias e Haddad a atacar as más práticas do PT.

Ciro com Haddad

Ciro entretanto já disse - ou quase disse - quem apoiará. "Agora? Agora vou beber uma cervejinha no bar mas todos sabem que tenho uma luta pela democracia e contra o fascismo, ele não".

Bolsonaro, o visado por Ciro, só não ganhou as eleições à primeira volta pela mesma razão que na anterior Dilma Rousseff (PT) bateu Aécio Neves (PSDB): o nordeste, a única das regiões do Brasil onde Haddad se revelou mais forte, como era esperado. E aquela onde Ciro, que fez carreira no Ceará, foi mais competitivo mas não ao ponto de ultrapassar o candidato do PT, como se chegou a supor.

Dececionantes, Alckmin e Marina terão encerrado as suas pretensões pessoais ao Palácio do Planalto ao perderem eleições pela segunda e pela terceira vez, respetivamente, com votações medíocres.

A eleição decorreu sem incidentes, além das tradicionais avarias nas urnas eletrónicas (mesmo assim uma percentagem ínfima do total) e das habituais detenções de centenas de eleitores apanhados a fazer campanha junto às secções de voto. No final, ouviram-se "vivas" a Bolsonaro, alguns foguetes e buzinas de automóvel - mas tímidas porque os dois campos sabem que ainda vem aí muita luta pela frente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?