No Brasil já se vende kits emigração

Custam entre 8 mil e 180 mil reais (de 1,8 mil de 40 mil euros) e dão direito a um pacote completo para quem quer deixar o país. Ideia de consultoras soma adeptos.

Se as saídas do Brasil vinham ganhando força há já algum tempo, desde que aquela economia começou a arrefecer, nos últimos meses o êxodo tornou-se ainda mais óbvio.

Com o país partido aos bocados política e economicamente, líderes insuspeitos condenados por corrupção, investigações judiciais a varrer o país de ponta a ponta e a sociedade a extremar posições rendendo cada vez mais apoiantes a Bolsonaro (que acaba de vencer a primeira volta das eleições brasileiras), as perspetivas de futuro apresentam-se negras. E os brasileiros começaram a procurar oportunidades fora.

Com os Estados Unidos a fechar as portas e a América do Sul a viver um dos piores momentos da sua história, a Europa é a solução mais apetecível. E Portugal a porta de entrada mais óbvia -- seja para ficar ou apenas como ponto de passagem para médicos, advogados e quadros de topo, mas também pessoas com menos qualificações mas um mínimo conforto financeiro.

Atentas, as consultoras foram ágeis a responder ao movimento e começaram a oferecer pacotes de emigração. Segundo explica a Folha de São Paulo , os kits têm preços que variam entre os 1,8 mil euros do mais básico aos 40 mil euros por pessoa, dependendo do que incluem. E que pode ir das simples taxas e aconselhamento jurídico a avaliação académica e de competências, procedimentos para equiparação das mesmas aos requisitos do país de destino, assessoria na procura de casa, emprego, etc.

E a procura é tanta que até já há grandes escritórios de consultoras brasileiras que estão a abrir sucursais em Portugal, para melhor fazer a ligação entre os desejos dos brasileiros e as facilidades que Portugal oferece. É que se há quem queira sair com medo do que será um Brasil governado por Bolsonaro, muitos outros (e com muito mais poder financeiro) temem que aconteça o inverso. E quem tem fortuna e negócios teme não estar a salvo de uma economia que preveem cair a pique se a esquerda acabar por conquistar a presidência -- ou pior, se um empate técnico deixar o país definitivamente partido ao meio.

Segundo a Folha, há escritórios que passaram de 300 clientes em 2016 para 2200 em agosto deste ano. Nos últimos quatro anos, o número de brasileiros a emigrar duplicou para cerca de 24 mil pessoas por ano.

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.